É assim que somos solidários?

Como povo tivemos, e temos, momentos altos. Mas por vezes conseguimos dar razão a quem nos chama de mesquinhos. 

Recentemente foi anunciado que Portugal iria contribuir para ajudar os seus parceiros europeus no combate a incêndios florestais, contribuindo com bombeiros e algumas aeronaves.

Ao ler os comentários a algumas notícias ou a assistir a uma entrevista feita na Sic Notícias onde o jornalista de forma insistente perguntava "mas quanto custa? ", confesso que fico incrédulo. Mais, confesso que sinto vergonha. O que se passa com alguns dos meus compatriotas? 

Não há nenhum país que tenha sido mais ajudado em alturas de crise de incêndios florestais como o nosso. Bombeiros, aeronaves e veículos espanhóis, franceses, italianos, gregos, croatas, marroquinos, russos, chilenos entre outros, têm combatido, suado e sofrido ao lado dos portugueses nos últimos anos em território nacional. Têm, convém lembrar, falecido ao lado dos nossos compatriotas. 

E quando os outros estão em apuros, quando os outros precisam de nós, é esta a preocupação? Quanto custa? 

É assim que somos solidários

E se os espanhóis, franceses, italianos, gregos, croatas, marroquinos, russos e chilenos pensassem igual? 

Provavelmente já não haveria fogos em Portugal. 

Tinha ardido tudo. 

A culpa é da TAP?

Nas últimas semanas têm-se multiplicado as notícias sobre o estado do transporte aéreo nacional tendo vários artigos de opinião como foco a TAP. “Sempre a mesma coisa”. “Sempre atrasada”. "Uma vergonha”. O ranking de pontualidade da TAP Air Portugal está efectivamente abaixo da maioria das suas congéneres europeias. No mais recente Airline and Airport Star Ratings, publicado pela consultora OAG que mede os registos de pontualidade (On-Time Performance) de companhias aéreas e aeroportos, a TAP obteve a pontuação de 63.8%. 

Mas será que a culpa é apenas da TAP Air Portugal? Serão estes atrasos somente imputáveis à transportadora aérea nacional?

Vamos por pontos, e primeiro... os práticos:

O “caos” do aeroporto de Lisboa. Não sou eu que o digo. É o EL PAÍS, jornal do país vizinho. No mesmo rating acima referido publicado pela OAG, em mais de mil e duzentos aeroportos analisados globalmente, o aeroporto da Portela é o sexto pior classificado, ganhando apenas uma estrela em cinco possíveis. Com o aumento brutal de tráfego aéreo e do número de passageiros a chegar a Lisboa, que atingiu em 2017 26.7 milhões, mais 11 milhões que em 2013, Lisboa está a tornar-se um exemplo de crescimento insustentável. A ANA (Aeroportos de Portugal) vende a capacidade máxima de movimentos por hora que o aeroporto é capaz de suportar: quarenta. Isto significa que o mais pequeno contratempo, como por exemplo uma aproximação interrompida, mudança de pista ou mesmo descolagens entre aeronaves de classe diferentes (por exemplo um ATR-72 e um Airbus A340), resultará imediatamente num atraso. Mesmo tendo em conta que na hora seguinte, a “hora de recuperação”, o número de movimentos passe para trinta e oito. Por mais boa vontade que o controlo de Lisboa tenha será impossível recuperar esse atraso. Adicionalmente, a aplicação do processo A-CDM (Airport Collaborative Decision Making), que ajudaria a coordenar as operações em terra do aeroporto, acabaria por ser implementado de forma rápida e tardia (de modo a garantir os fundos europeus que o poderiam financiar). E, mesmo assim, o sistema não está completamente integrado com o EUROCONTROL sendo que algumas das tarefas não são executadas de forma automática (como a actualização de planos de voos ou do horário de saída – TOBT (Target Off Block Time) - que poderá demorar até cinco minutos a ser actualizado). Tendo em conta que se uma aeronave perder um TOBT por segundos, terá de esperar, mesmo que pronta, vários minutos, poderá ter-se uma ideia da dimensão temporal que o simples processo de sair do stand poderá ter. A juntar a isto as aeronaves com Slot (e já lá vamos a esta questão) têm sempre prioridade sobre as aeronaves que não o têm. Tendo em conta que hoje em dia a maioria dos voos tem Slot, o primeiro voo que não o tenha arrisca-se a sair com um atrasado significativo. Fisicamente também não há capacidade para mais. Na prática Lisboa possui apenas uma pista (03/21), sendo que a segunda, a pista 35/17, está constantemente fechada devido à necessidade de parquear aeronaves. A inexistência de um caminho de rolagem (taxiway) paralelo ao longo de toda a extensão da pista 21, quando as descolagens se dão na direcção sul, significa por si só que quando esta configuração está activa é impossível retirar o máximo de eficiência em termos de movimentos do aeroporto. Estes factos são completamente alheios e não são controláveis pela TAP. 

A somar a esta ineficiência e saturação da infraestrutura aeroportuária, existem questões de espaço aéreo. Este encontra-se dividido em sectores. Cada sector está atribuído a um controlador aéreo e tem uma capacidade máxima de aeronaves que pode suportar. Ultrapassar esse limite só quebrando as regras. Um Slot é, de uma forma muito rudimentar e simplificada, uma janela de tempo que está atribuída a uma determinada aeronave em terra – no aeroporto – ou no ar – espaço aéreo – e que garante que operação do voo seja contínua. É que lá em cima não existem bombas de gasolina, e quando um avião descola tem de se garantir que em rota existe a capacidade para o receber e acomodar. Um Slot é, resumidamente, uma faixa horária. Com a saturação do espaço aéreo e dos aeroportos europeus é cada vez mais comum a existência de Slots que por norma atrasam a partida planeada dos voos. Adicionalmente, em Portugal existem diversas zonas restritas ou reservadas de espaço aéreo que condicionam a optimização do mesmo. Um bom exemplo será a incapacidade de se criarem rotas de saída de instrumentos (SID, Standart Instrument Departures) para aeronaves mais lentas em Lisboa. E finalmente o software do sistema de gestão do espaço aéreo nacional encontra-se obsoleto. A NAV tem vindo a alertar para este facto, tendo o mesmo falhado pelo menos quatro vezes nos últimos anos. A sua substituição está finalmente prevista para o próximo ano de 2019. Estes factos são completamente alheios e não são controláveis pela TAP. 

Como terceiro ponto, a localização geográfica portuguesa. Lisboa está localizada na extremidade sudoeste da Europa, o que significa que a esmagadora maioria dos voos de médio curso com origem na capital tem de cruzar grande parte do território europeu. Uma greve no controlo de espaço aéreo francês, por exemplo, (e nos últimos anos têm sido várias) irá obrigar a que uma aeronave voe uma rota consideravelmente mais longa que o esperado. Uma aeronave da TAP com destino a Milão que se vir confrontada com uma greve do sector do controlo aéreo de Marselha, terá de fazer essa rota por Norte, via Paris e Bruxelas, ou por sul, por espaço aéreo Argelino, atrasando o voo significativamente. É evidente que esta questão afecta qualquer companhia aérea, não apenas a TAP. Mas uma operadora que está localizada numa das extremidades da Europa sofrerá consideravelmente mais que as restantes. Um dia de greve do controlo aéreo francês significa que quase todos os voos de médio curso da companhia nacional sofrerão algum tipo de atraso. Mais uma vez, estes factos são completamente alheios e não são controláveis pela TAP.

 A nova geração de aeronaves TAP: Airbus A320NEO, A321NEO e A330NEO. (c) TAP Air Portugal

A nova geração de aeronaves TAP: Airbus A320NEO, A321NEO e A330NEO. (c) TAP Air Portugal


Mas agora falemos estrategicamente. Da “Big Picture”.

A concessão/privatização da ANA (Aeroportos de Portugal) ao grupo francês VINCI representou algo raro na indústria. O estado privatizou toda a estrutura aeroportuária portuguesa (ANA) ao mesmo consórcio, entregando efectivamente um monopólio a uma empresa privada. Por norma privatizam-se aeroportos individualmente, gerando concorrência. Não se privatiza toda a estrutura à mesma entidade. Privatizar individualmente os aeroportos incentiva a que “lutem” entre si para captar tráfego, melhorando as condições oferecidas e apostando numa expansão sustentada. A cedência de um monopólio a uma única entidade poderá ter o efeito inverso (como é exemplo o aumento constante das taxas aeroportuárias nos aeroportos nacionais). 

É igualmente bom relembrar que estava previsto no acordo de concessão da ANA que a Portela estaria esgotada com o processamento de 22 milhões de passageiros anuais e que essa seria uma das condições para que a empresa vencedora iniciasse o estudo e construção de uma alternativa. A Portela ultrapassou os 22 milhões em 2016. Hoje vamos quase em 27 milhões.

Igualmente surpreendente é o silêncio do Estado português. Para quem o turismo representa a pedra basilar da política de recuperação económica, a não tomada de uma decisão e o arrastar constante da escolha de uma alternativa irá levar, mais uma vez, a um impasse estratégico no país. O pensamento a longo prazo é algo que, infelizmente, ainda não está enraizado na nossa cultura governativa. E mesmo a opção Portela + 1, Montijo, está longe de ser consensual. Estudos mais recentes defendem que afinal levará mais anos que o previsto a ser construído (nunca antes de 2022) e que o seu custo será muito maior ao anunciado (nunca abaixo dos dois mil milhões de Euros). Provavelmente já estaria na altura do Estado fazer o que lhe compete: reunir a ANA, VINCI, Força Aérea Portuguesa, ANAC, NAV, Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, Ministério da Economia, Ministério das Finanças, Secretaria de Estado do Turismo e o gabinete do primeiro-ministro, todos debaixo do mesmo tecto e daí só sair com uma decisão. Provavelmente chegariam à conclusão que estaria na altura de voltar a pensar na construção de um aeroporto de raiz e que essa opção, a longo prazo, sairia mais barata ao país. 

Com tudo isto não quero de todo afirmar que a TAP não tem defeitos. Tem com certeza. E deverá fazer tudo ao seu alcance para os corrigir. E quando tal não for possível, deverá exceder-se na protecção dos seus passageiros. A TAP está em franco crescimento o que origina diversas irregularidades operacionais. Mas, verdade seja dita, todas as companhias aéreas as têm. Não é um problema exclusivo da TAP. Mas parece que todas as críticas acabam por recair sobre ela. 

E, para terminar, façamos uma pequena analogia. Vamos imaginar que moramos em Almada. Entramos no nosso trabalho às 09:00 da manhã e todos os dias apanhamos um Táxi às 08:45. Como o trânsito na ponte 25 de Abril está sempre o caos chegamos constantemente atrasados. Mas nunca nos passará pela cabeça culpar o Táxi e o seu condutor, pois não?

Este problema não afecta apenas a TAP. Afecta todas as companhias aéreas a operar a partir de Lisboa. O problema está a montante não está? Está.

E neste caso a montante até tem nome. 

Chama-se Aeroporto Humberto Delgado. 

Afinal não somos assim tão diferentes

Em Espanha, aqui ao lado, o governo caiu resultado de uma moção de censura sem precedentes na história do país vizinho. Itália está ainda (provavelmente sem surpresa) envolta em caos político, com a possível formação de um novo executivo em breve. E em Portugal a dívida pública atingiu os 250 mil milhões de Euros, aproximadamente 126% do produto interno bruto português, facto este que, independentemente da perspectiva, é um péssimo presságio para o futuro nacional. 

Hoje não faltam razões para ser notícia. E todas elas de importância clara para todos nós. 

Mas parece que, por aqui no nosso país, as preocupações são bem diferentes. Quem passar os olhos pela televisão ou dispensar cinco minutos para ler um jornal constata que, afinal, o único problema parece ser futebol. Não como notícia de rodapé. Não como notícia impressa a meio de um jornal. Nem sequer como notícia de secção desportiva. Mas como infindáveis horas de emissão em directo, de debates, de opinião pública. Se dúvidas persistissem que, como povo, temos as prioridades trocadas o dia de hoje esclareceu-as. 

Mas tudo isto não é grave por se tratar de futebol. Já sabemos que nos está no sangue este deporto. Que vibramos com ele e que é, para todos os efeitos, o escape de muitas frustrações nacionais. Contra mim falo. Vibro, grito e sofro como qualquer um. O grave não é o tema. 

Grave é o que isto comprova: que afinal, não somos tão diferentes dos nossos aliados norte americanos. 

Como Europeus gostamos de exibir uma espécie de superioridade moral face aos senhores que moram do outro lado do Atlântico. Populismo? Aqui? Jamais. Nunca seria possível eleger um primeiro-ministro com as características do presidente norte-americano. 

Pois bem, estamos há semanas a discutir um presidente de um clube desportivo, as suas atitudes e as suas tomadas de decisão. Baseadas, há que dizê-lo, em manipulação, ameaças, mentiras e populismo, criando o mesmo ambiente de crispação e de divisão nos seguidores desse mesmo clube que foi criado nos eleitores norte-americanas. O modus operandi é perigosamente semelhante. Quase idêntico e, curiosamente, com os mesmos resultados. E isto tudo, convém relembrar, falando apenas de futebol.

Somos mais maduros. Mais conscientes. Convencidos, dizemo-lo a nós próprios sem hesitação. Esta nossa arrogância prova-nos exactamente o contrário. Somos imaturos e irresponsáveis como povo. Cultivamos – em todos os sectores com responsabilidade de educação social – uma ignorância colectiva. 

E se futebol serve como barómetro para o resto do país, o futuro é tudo menos risonho. 

Porque se há algo que todo este “circo” prova é que o surgimento de um político populista não é uma questão de possibilidade. É uma questão de tempo. 

E aí? Aí o que está em causa já não é uma bola. 

São as nossas Vidas

www.merlin37.com/diferentes

E depois de La Lys?

Dia 09 de Abril de 2018. Comemoram-se amanhã os 100 anos do início da batalha de La Lys. Um século. A memória, distante e longínqua, perde-se no dia-a-dia mundano e comum que por hoje vivemos. 

Mas naquele dia, o Corpo Expedicionário Português (CEP) e os seus pouco mais de 50.000 homens responsáveis por uma frente de aproximadamente doze quilómetros, foram atacados por uma força esmagadoramente superior alemã. O CEP, que totalizava na linha da frente aproximadamente 20.000 homens foi resistindo a uma força atacante cinco vezes maior, com o resultado de mais de 400 mortos e 6500 capturados entre as forças portuguesas. Mas mesmo perante a derrota iminente as forças portuguesas protagonizaram vários actos de extrema bravura, como o do soldado Milhais que, sozinho, repeliu dois ataques alemães cobrindo a retirada dos seus compatriotas portugueses e ingleses. O tal Milhais que valia por “milhões”.

A derrota portuguesa foi tratada por muitos com escárnio e maldizer. Diria mesmo que de forma bastante injusta. Dificilmente qualquer outra força aliada teria resistido eficientemente naquelas condições. Mas ali estavam 50.000 portugueses que combatiam há quase um ano, sem descanso, em condições miseráveis, sem reservas, mal nutridos e muitas vezes sem direito aos períodos longe da frente que seriam minimamente aceitáveis para manter a sanidade mental de qualquer um. De qualquer um de nós. Se o Inferno existe, aqueles doze quilómetros de frente devem representá-lo bem. E, no entanto, lutaram e honraram a sua bandeira. 

A responsabilidade do resultado, essa, estava longe daquelas trincheiras na frente. Recaía sim nas altas chefias militares e na chefia política que, mais uma vez, tinha enviado meia centena de milhar de homens sem condições, sem planeamento e sem qualquer hipótese de serem rendidos. 

E como é engraçado que, mesmo um século depois, continuamos (quase) iguais.

 Foto: Miguel Manso (c) 

Foto: Miguel Manso (c) 

Seja no respeito pelos nossos compatriotas de farda como na maneira como os enviamos para a batalha. 

Soube-se hoje que os militares portugueses na República Centro Africana foram novamente atacados, tendo daí resultado um ferido ligeiro.

Parte dos meus compatriotas insiste em insultar aqueles militares que lá estão, a dar no duro, sob o risco da própria vida. E o poder político continua a enviar os filhos da Nação com o mínimo essencial. Desenrascanço versão expedicionária. Aqueles paraquedistas continuam, por exemplo, ainda equipados com a venerável G-3. Safa-nos o extremo profissionalismo dos nossos militares, que são excepcionais naquilo que fazem. E não sou que o digo, são as forças estrangeiras com quem eles trabalham. 

La Lys foi há cem anos. Mas a mentalidade, essa, é infelizmente a mesma. 

Valha-nos o soldado Milhais. E todos os militares portugueses que hoje estão em missão por esse mundo fora. 

Esses sim honram a bandeira. 

Façam, portanto, o favor de se orgulhar deles.  

Que eles servem, e morrem, por Nós.

www.merlin37.com/lalys

Obrigado Stephen

Quando o dia nos mandar à "merda". Quando as coisas nos correrem mal. Quando estivermos chateados porque a rede Wi-Fi vai e vem... talvez nos lembremos que existiu um tipo a quem foi diagnosticado a doença de Lou Gehrig com 21 anos.

Talvez nos lembremos também que pouco depois disso ficou tetraplégico.
E talvez nos lembremos que mesmo assim se tornou em um dos mais importantes físicos teóricos da história da humanidade. Em uma das mais brilhantes mentes que já povoou este planeta e em alguém para quem as gerações futuras terão uma dívida de gratidão.

Talvez nos lembremos que, mesmo face à mais inimaginável das dificuldades, como perder toda a mobilidade no auge da juventude, com coragem, bom-humor e uma vontade inabalável o ser humano pode fazer coisas excepcionais.

Que legado mais fantástico, e inspirador, se poderia pedir?

 (c) TIME Magazine

(c) TIME Magazine

www.merlin37.com/stephen

Dez anos, lembras-te?

Lembras-te?

Primeiro foi preencher os papéis. 

Depois foi aquela primeira ida ao centro de recrutamento. Mancebo? O que é isso? 

Depois os psicotécnicos. Perguntas sem sentido, desenhos borrados e gente fardada que te trata mal. 

Depois os médicos. “Quase ninguém passa na oftalmologia”, diz alguém. “Tenho um amigo que chumbou por ter um dente chumbado”, diz outro alguém.

Depois são os testes físicos, e amaldiçoamos o nosso cérebro por ter tido a ideia (estúpida) de beber duas latas de Redbull antes de uma corrida. Na segunda volta, lá está ela: a dor de burro. 

Depois o estágio de voo. Eu pensava que voar era divertido. Este avião nem é divertido nem é confortável. E o instrutor berra. Alto. 

Depois, recebes a carta em casa. És aceite. Sentes-te no pico do mundo. 

Depois vem a recruta. Corres, fazes flexões, disparas G-3, lanças umas granadas. Saltas muros, marchas quilómetros, não dormes. Crias laços. Aprendes a marchar. A toda a santa hora do dia. 

Depois juras bandeira. Sentes o orgulho de estar ali, de pé, face à bandeira nacional a entoar o mais o belo dos hinos nacionais: o nosso. 

Depois começas a parte teórica do curso. Passas o Verão enfiado numa base vazia. Sem ninguém, está tudo de férias menos o teu curso. 

Depois vais para sul. Para o meio do Alentejo. 

Depois vem mais teoria.

Depois vem o aperto. O não dormir. O atingir o fundo para te levantares depois. 

Depois vem o primeiro voo de instrução. Os primeiros suores. Os primeiros receios de não perceberes nada daquilo. Nem voar direito consegues. 

Depois lá consegues. Voar a direito. E voar em volta também, que a circunferência da Terra é grande e ir sempre a direito iria demorar algum tempo. 

Depois és largado. Voas sozinho pela primeira vez. Gritas dentro do cockpit quando descolas. Praguejas a alto e bom som contra todos aqueles filhos da puta que acharam que não eras capaz. És só tu, aquela máquina voadora e o infinito éter do céu português. 

Depois vem o jantar de largada. Não vale a pena falares dele porque, lá no fundo, nem te consegues lembrar do que por lá se passou.

Depois vêm as agulhas. Fechado dentro de uma tela, sem olhar para fora da aeronave, cruzas o país inteiro a olhar para três ou quatro instrumentos. Nada de olhar para fora, onde o sol brilha. Rota ponta mais trinta, cauda rota mais quarenta e cinco e pensas que está dominado. Não está. É muito mais que isso. 

Depois vêm os “loopings”, os trevos e os oito lentos e outras coisas que te fazem ver em túnel. Chamam-lhe força G. “Isto afinal é uma curtição”.

Depois mudas-te para a casa do lado. Vais voar helicópteros. Não! Vais voar “o” helicóptero. Aquele que tem idade para ser teu pai. 

Depois volta a teoria. E, foda-se, o manual está em Francês. Porque é que eu nunca prestei atenção às aulas de Francês? 

Depois vem o primeiro voo. Apercebes-te que, afinal, já não sabes voar.

Depois apaixonas-te pela máquina.  

Depois aprendes a voá-la. Esta consegue parar no ar. E até consegue voar para trás. 

Depois aprendes a fazer “bolinhas” no ar. 

Depois és largado. Sozinho, numa máquina desenhada pelo próprio Diabo. Sobrevives, não sabes bem como.  

Depois vem o jantar de largada de helicóptero. E neste tens uma vaga ideia que andava um bidé debaixo das mesas e alguém a discursar enquanto vómito lhe saía pelas narinas. 

Depois voltas a voar instrumentos. 

Depois aprendes a voar em formação. Ali, bem perto, quase com rotores sobrepostos. Voas com uma, duas, três aeronaves. Chegas a voar no meio de oito. “Bons tempos”, pensarás mais tarde.

Depois aprendes a navegar a cem pés com cartas do Exército de 1963. “Aquela casa não existe”. “Aquele lago é novo”. “Falta aqui a auto-estrada” passam a ser as tuas frases de eleição.

Depois aprendes a voar com quinhentos quilos presos por um cabo de aço ao helicóptero. Sentes pela primeira vez o que é um pêndulo em voo. Chamam-lhe carga suspensa.

Depois aprendes a “fazer um guincho”. Um tipo muito mais experiente e antigo do que tu, vai-se pendurar de livre vontade no guincho do teu helicóptero, contigo aos comandos. Há gajos malucos. 

Depois chega o último voo do curso. Fazes uma rapada à Esquadra (fazes não, faz o instrutor). Respiras de alívio. Chegas ao quarto e tomas um duche frio. Prometes a ti próprio que logo à noite vais a Beja rebentar uma garrafa de um qualquer líquido com elevado teor alcoólico. 

Depois vem o brevetamento. Finalmente tens asas ao peito: e são douradas. Não são de ouro, mas valem muito mais. Toda a gente que interessa está lá. A família, os camaradas, a porra da base inteira. O teu sonho de criança termina ali. Ou começa. Conseguiste aquilo que sempre quiseste, e isso faz de ti alguém realizado. 

E depois chegas ao dia de hoje. Hoje, dia 21 de Dezembro, faz precisamente dez anos que me puseram as Asas ao peito. Passaram dez anos. Dez. Dez anos de piloto. Dez anos de sonho realizado.

Olhas para trás e pensas “Que grande sorte que tive”! 

É que não tenho uma profissão.

Tenho uma paixão.  

 Foto: CAVFAP (c)

Foto: CAVFAP (c)

www.merlin37.com/10anos

A Pátria honrai, que a Pátria vos contempla

A cada trovão, a cada relâmpago, aquela imensidão negra lá fora tornava-se familiar. Era possível reconhecer os contornos dos montes e do terreno que passava por baixo de nós. Nem que fosse por uns meros segundos. Visualmente, voávamos por fotografias. Estávamos a dois mil pés, rumo a Peniche. Duas da manhã. Talvez três. Tinha-me qualificado há pouco mais de um mês e esta era a minha primeira missão operacional como piloto de busca e salvamento na Esquadra 751. Estávamos em final de Fevereiro, e lá fora o tempo teimava em não perdoar. Ventos fortes, visibilidade baixa, vagas de oito a dez metros no mar. Fomos activados para efectuar uma busca a dois estudantes que tinham desaparecido em Peniche, caídos ao mar. Lembro-me de pensar que seria um “milagre alguém sobreviver nestas condições”. 

Estivemos no local quase três horas. A domar os elementos da natureza com os nossos três motores e o nosso gigante rotor. Todos de olhos postos lá fora, à procura do mais ínfimo sinal de esperança. De vida. 

“Que noite de merda”, pensava. O ar estava tão turbulento que já tinha os olhos cansados de tentar ler os instrumentos do helicóptero. Os olhos, e o corpo, pediam por descanso.  

Mas por mais que as condições naquela madrugada estivessem más, péssimas mesmo, não foi isso que mais me impressionou. 

O que me impressionou foi quem connosco lá estava.

Ali, uns meros cem pés por baixo de nós, navegava uma corveta da Armada portuguesa. Um pequeno navio, construído na década de sessenta, que enfrentava aquelas vagas, do tamanho de uma casa, de frente. Se eu estava a levar “porrada”, se eu estava desconfortável, se a nossa máquina estava instável, eles estavam bem pior. Recordo-me de ver toda a secção dianteira da corveta fora de água e o consequente embate violento no seu regresso ao oceano. E era assim, vaga após vaga. 

“Aqueles gajos têm uns tomates do tamanho do mundo”, comentámos entre nós. E tinham. Estar ali, naquelas condições, dentro de um casco de alumínio e aço, a escassos metros de terra, não era para qualquer um. Não era e não é para qualquer um. Ali, naquela madrugada, naquele momento, senti a mais profunda admiração e orgulho pela Marinha portuguesa. Aqueles gajos fariam o Infante Don Henrique orgulhoso. 

 É preciso ser-se um alguém especial para estar ali dentro. (Foto: autor desconhecido)

É preciso ser-se um alguém especial para estar ali dentro. (Foto: autor desconhecido)

Existem poucos países no mundo com tamanha tradição naval como Portugal. A Marinha de guerra portuguesa, a Armada, está intrinsecamente ligada à história do nosso país. À nossa nação, a nós como povo, e às nossas tradições. 

Fosse no primeiro embate contra a frota sarracena, nos Descobrimentos, na manutenção da nossa soberania ou na salvaguarda da vida humana, falar da Armada é falar de Portugal.

Este ano, 2017, celebram-se setecentos anos sobre a formação oficial da Marinha de guerra portuguesa. Setecentos anos. Não estamos a falar de vinte e cinco. De cinquenta ou de cem. Nem de duzentos. São setecentos anos de Armada. Setecentos anos de história. De tradições. De combate. De coragem (muita!) e de ousadia. De ir do Brasil ao Japão em cascas de madeira. De fazer de Portugal, uma das mais pequenas nações da Europa, a maior de todas. De ir para além do mundo conhecido e dar “novos mundos ao mundo”.

Não é só Portugal que deve muito à sua Marinha. É toda a civilização ocidental. 

Nos dias que correm gostamos imenso de falar de Portugal e do mar. De como ele é importante para nós, de como faz parte da nossa maneira de ser, de como nos influencia e de como o nosso futuro, tal como o nosso passado, passa por ali: aquele profundo azul. 

Pois bem, quem nele nos representa, quem dele se ocupa, quem dele cuida e quem dele protege é a nossa Marinha. E fá-lo há setecentos anos. 

A história da Marinha é indissociável da história portuguesa. E foda-se, que magnífica história é essa! 

Em todos os navios da Armada está orgulhosamente inscrito o lema “A Pátria honrai, que a Pátria vos contempla”

E está na altura da a Pátria contemplar a Marinha. Pois ela muito nos honrou, e honra, como Nação, por esse mundo fora. 

Parabéns Marinha portuguesa. 

E obrigado. 

www.merlin37.com/setecentosanos

Não vale tudo

Somos presentemente, como Nação e como povo, injustos para com os nossos antepassados. Injustos para com os nossos heróis. Injustos para com a nossa memória.

Houvesse dúvidas desse facto, soube-se hoje que um dos jantares privados, de carácter exclusivo e pouco publicitado, organizados pela Web Summit, foi realizado no Panteão Nacional. 

O Panteão Nacional é o último local de repouso de uma série de ilustres nacionais. De cidadãos que se distinguiram em vida, e que com isso elevaram o nome de Portugal. A Nação tem para com eles uma dívida eterna e parte desse reconhecimento é estarem ali, sepultados naquele edifício. Por lá repousam as almas de personalidades como Humberto Delgado ou Guerra Junqueiro. É, ou deveria ser, um local de respeito, de silêncio e de memória. 

Não sou crítico da Web Summit. Tê-la por cá é certamente bem melhor do que não a ter. Gera negócio, gera exposição e gera riqueza. 

Mas não pode valer tudo

O país, a memória colectiva e o respeito pelos nossos antepassados não pode ser menosprezado ou posto em segundo plano por causa de um evento. Seja ele qual for (  já que a lei existente permite que aquele espaço seja alugado por qualquer um, como já o foi no passado, inclusivé por empresas nacionais). 

Aquele jantar não é somente uma demonstração de mau gosto. 

É uma injúria a tudo aquilo que nós deveríamos defender: a nossa pátria e os nossos antepassados.

E enganam-se os que pensam que a culpa é da organização da Web Summit ou das empresas que por lá organizaram jantares. 

Não é. 

É nossa.

www.merlin37.com/ojantar

E agora? Foi azar?

Revoltado. É difícil alguém não se sentir assim.  

Na altura que escrevo estas linhas a protecção civil já confirmou a existência de pelo menos trinta e duas vítimas mortais. Portugal e os incêndios parece o título de uma tragédia grega que se prolonga infinitamente na história recente do nosso país. 

Mas as últimas vinte e quatro horas foram igualmente férteis em declarações surpreendentes.


Disse o Secretário de Estado da Administração Interna que “temos de nos auto-proteger”. Que “Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema”.

E ouvimos o Primeiro Ministro referir que: “o país tem de estar consciente que a situação que estamos a viver vai seguramente prolongar-se para os próximos anos”. Em jeito de “habituem-se”. 

Gostaria de relembrar que é dever elementar do Estado garantir a segurança física dos seus cidadãos. É, afinal, por isso que pagamos impostos.

Não faz qualquer sentido responsabilizar o governo - seja ele qual for - pela ocorrência de um cataclismo natural. É redutor e intelectualmente desonesto. É algo incontrolável. O mesmo já não se pode dizer sobre a forma como a reacção ao mesmo é gerida, organizada e implementada. Como se gere a crise e, acima de tudo, as declarações públicas que se emitem. Declarações essas que, nestas alturas, têm um peso importantíssimo.  

Honestamente, as últimas vinte e quatro horas soam a de-responsabilização. 

 Foto: Paulo Novais (c) Agência Lusa 

Foto: Paulo Novais (c) Agência Lusa 

O Secretário de Estado com a pasta da Administração Interna a dizer que têm de ser as populações a cuidar de si é Kafkiano. Aparentemente é agora responsabilidade das populações afectadas lutar contra incêndios, sem o treino e sem o equipamento necessário. O Estado nada terá a ver com isso. Quem está a exercer um cargo público desta natureza tem de obrigatoriamente medir muito bem as suas palavras. 

O Primeiro Ministro que, curiosamente, foi titular da pasta da Administração Interna durante vários anos na década passada, dizer que temos de estar preparados para mais é quase como dizer que, só agora, acordámos para o problema. E logo ele que, fruto da pasta que tutelou, já tem a experiência e o conhecimento suficiente sobre a questão florestal portuguesa. 

É absurdo.

É como somente colocar as culpas em mão criminosa. Há com certeza imensa. Mas convém lembrar que quem é responsável por legislar sobre o código penal que pune quem pratica esses mesmos actos é o governo ou a Assembleia da República. Aí reside muita da responsabilidade.

É como o SIRESP. Que continua a falhar, mas nada muda. Nada se altera. Nenhum penalização se exige. 

É como o eucalipto. Que foi durante muito tempo a desculpa mas que, afinal, não é o único “culpado”. 

Não gosto de declarações políticas. Raramente as faço. E neste assunto todos, de todo o espectro político, têm culpas no cartório. Esquerda e Direita. Não há nenhum partido na Assembleia da República, com óbvia excepção para o PAN, que esteja livre de responsabilidades.

Mas parece que sempre que algo corre bem, todos no presente executivo dão palmadinhas nas costas e enaltecem-se perante os eleitores. 


Quando as coisas correm mal, a responsabilidade, essa, nunca passa por ali

Foi assim em Pedrogão. Foi assim em Tancos. Foi assim ontem, 15 de Outubro. 

Como se não existissem ilações políticas a retirar. 

Mas existem. Muitas. 

A fibra de um líder não se vê só quando as coisas correm bem. Vê-se também quando correm mal.

E este Verão as coisas correram mal. Foram mais de cem vítimas mortais. 

É fácil estar revoltado, não é? 

www.merlin37.com/eagora

O último a sair que apague a luz

Dizia-me um amigo ontem que “nas câmaras municipais, e nos organismos públicos, como a de Oeiras, muitas vezes era preciso possuir um registo criminal limpo para se trabalhar”. Estará, porventura, na altura de exigir o mesmo a quem se candidata a presidente das mesmas? 

Curiosamente, e no mesmo dia na outra ponta desta península, houve quem confrontasse cargas policiais pelo direito de votar (num referendo legítimo ou não, não discuto). Por cá, para além de mais uma vez a abstenção ser astronómica, houve quem votasse de ânimo leve - ou gosto de pensar que assim o foi. 

Oeiras é, pelo menos estatisticamente, o concelho do país mais instruído (possui a maior percentagem de licenciados entre os seus eleitores) e é, também, o segundo concelho mais rico do país (em valores “per capita”). Um dos candidatos independentes foi eleito por larga margem. Relembro que esse mesmo candidato foi condenado a sete anos de prisão em 2009 por fraude fiscal, abuso de poder e corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais. Será isto um problema? 

Quase 42% dos eleitores de Oeiras pensam que não. 

Eu sei que em Democracia cada voto vale tanto como o voto do próximo. E ainda bem. Mas que relação é esta que o meu país, e o meu povo, tem com a corrupção? Que moral, ou que valores, temos todos nós como povo, que nos leva a criticar de forma veemente os episódios que abrem os telejornais e, no dia decisivo, escolhemos os mesmos que os praticam? 

Lá no fundo, somos “todos” corruptos. Temos “todos” uma relação de promiscuidade com essa terrível forma de gerir a vida. “Todos”. Eu sei que é reconfortante pensar que apenas os nossos líderes, ou governantes eleitos, são activos nesse acto desprezível de corromper. Mas a realidade é bem mais profunda. Quando a grande maioria de nós procura activamente uma forma de escapar aos impostos, quando aceita uma compra sem factura ou mesmo quando tenta escapar a uma multa da PSP, está, também, a praticar aquilo que critica. Somos egoístas. Somos individualistas como sociedade. E dir-me-ão: “não é a mesma coisa”. Mas é. É exactamente a mesma coisa: o princípio de usar relações pessoais, profissionais ou de afinidade para beneficiar alguém ou um grupo. Geralmente a nossa própria pessoa. As motivações poderão ser diferentes. As razões poderão ser diferentes, sem dúvida, mas o acto em si é o mesmo. 

Não existem políticos corruptos sem um povo corrupto. E ontem provou-se isso mesmo. 

E se alguém estiver a pensar em dizer que “mas o homem deixou obra feita” ou “cumpriu a pena, perante a justiça está saldada a dívida” não se esqueçam também de por à frente dos quartéis de bombeiros incendiários condenados pela justiça. De por à frente do Banco de Portugal, um qualquer banqueiro condenado. E de colocar à frente das entidades reguladoras qualquer CEO das empresas que é suposto regular. 

E já agora dêem aos ladrões de Tancos as chaves dos arsenais das forças armadas. 

Pensava eu que estávamos no bom caminho. 

O último a sair do país que apague a luz se fizer favor. 

www.merlin37.com/apagaraluz

Há heróis na multidão

“Estes tipos e a mania de conduzirem do lado contrário da estrada”, era a única coisa que me passava pela cabeça. Lá fora estava frio, daquele húmido que entra pelos ossos. Que tempo tão tipicamente inglês. Ao volante, tentava não ir em contra mão ou levar comigo uma ovelha no para-choques. Perdido numa qualquer aldeia nos arredores de Oxford, eu e um camarada, tentávamos desesperadamente chegar intactos à base aérea de Benson. Era aqui que nós, pilotos de EH-101 Merlin, efectuávamos o nosso simulador de treino anual. 

A comunidade de países que opera este helicóptero é relativamente pequena pelo que em Benson conseguíamos trocar impressões com quase todos os operadores daquela máquina. Ingleses, Japoneses, Canadianos e Dinamarqueses eram presença assídua por aquelas bandas. A juntar a isso um grupo de instrutores de vários tipos de helicóptero, com mais anos de voo do que eu de vida, estavam sempre presentes. 

E é com um deles que me começo a aperceber da particularidade da nossa operação em Portugal. Uma manhã, depois de mais uma viagem do “lado contrário da estrada”, e sem razão nenhuma aparente, discutíamos o alcance efectivo do EH-101. Ao referir o facto que, por norma, íamos em excesso das 370 milhas náuticas do ponto de descolagem, um instrutor dizia-nos que “não podia ser”. Ao que ficámos por ali vinte, talvez trinta minutos, a consultar os manuais e a mostrar-lhe que, para nós, essa era uma operação normal e regular. Erámos, pelos vistos, os únicos que efectuavam missões a tal distância, sob condições tão adversas de meteorologia e sem reabastecimento intermédio (os canadianos aproveitavam as plataformas petrolíferas como ponto de reabastecimento).

 Foto: Luís Forra (Agência Lusa) (c)

Foto: Luís Forra (Agência Lusa) (c)

Por vezes, é difícil Portugal reconhecer os seus como profissionais, como bons ou mesmo como excepcionais. Tirando raras excepções – como no futebol – temos a tendência de relativizar pela negativa as nossas capacidades, comparando sempre com o que “vem de fora”. Algo feito “lá fora” parece ser sempre melhor do que algo “feito cá dentro”. É um pensamento negativo tão nosso, intrínseco no nosso ADN popular, com origem indeterminada. Quem sabe, talvez da altura do mapa cor de rosa. 

A realidade é que, mesmo sem esse reconhecimento, por cá temos muita gente muito boa, muito profissional e que nada deve a ninguém por esse globo fora. 

A Esquadra 751 da Força Aérea Portuguesa é um desses casos.

Todos os dias do ano, vinte e quatro horas por dia, aqueles pouco mais de cem militares mantêm em prontidão três alertas de busca e salvamento. Um no continente, um na Madeira e um nos Açores. Cerca de 20% daquele pequeno grupo está sempre de alerta, em prontos a descolar, revezando-se dia após dia, semana após semana, o que dará para perceber o esforço herculano de quem lá trabalha. 

A juntar a isso temos a importância da missão. Busca e salvamento, exigente mesmo nos dias mais calmos. Voar sempre que alguém precisa, faça o tempo que fizer, seja a que hora for. Fui um privilegiado por lá ter servido mais de quatro anos e por ter conhecido os camaradas que conheci. Vê-se por lá muita coisa que, pensamos, só seriam possíveis num qualquer filme produzido em Hollywood. Mas curiosamente, a grande diferença entre a realidade e a ficção é que a ficção tem de fazer sentido. A realidade, muitas vezes, não o faz. E quem quer que por lá tenha passado tem com certeza muitas estórias que os amigos pensarão que são um exagero. Mas não o são. Ali vivem-se situações extraordinárias. Há algo de imensamente reconfortante em ver no nosso dia a dia demonstrações de coragem, de abnegação e de sentido de dever. Sentir espírito de iniciativa ao invés de inércia. Sentir que, numa qualquer noite fria, num qualquer ponto do oceano, se for preciso, há um grupo de homens e mulheres que tudo farão para ajudar quem precisa. Foi, sem qualquer dúvida, um sítio excepcional para se trabalhar.

Por aquela gente sinto verdadeira admiração e respeito. 

Esse espírito, essa coragem e essa disponibilidade de fazer tudo por tudo em prol do próximo, é hoje finalmente reconhecida pela Nação. A Esquadra 751 recebeu das mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo da Sousa, a maior condecoração que um cidadão, ou grupo, pode receber do Estado português: a ordem militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Esta ordem é atribuída por feitos excepcionais de heroísmo militar ou cívico e actos ou serviços excpecionais de abnegação e sacrifício pela Pátria e pela Humanidade. 

Naquela condecoração estão quase quarenta anos de serviço. Milhares de vidas salvas e dezenas de milhares de horas de voo voadas. Estão centenas de militares. Estão muitos sucessos, mas também alguns falhanços. Muitos sonhos, muito suor e muitas lágrimas. E muito esforço familiar.

A Esquadra 751 é a primeira, e única, esquadra de voo da Força Aérea Portuguesa a ter a honra de ser agraciada com tal distinção a título colectivo. Não é, certamente, um pequeno feito. Hoje a Nação reconhece os seus.

Uma Missão extraordinária, só pode ser feita por pessoas extraordinárias.

E eu não me lembro de ninguém mais merecedor para tal. Ainda bem que ainda existem heróis na multidão. 

Aos que lá estão, e aos que por lá passaram, obrigado. 

Parabéns Esquadra 751.

www.merlin37.com/heroisnamultidao

 (c) Força Aérea Portuguesa

(c) Força Aérea Portuguesa

A TAP já não é o que era

 

A TAP já não é o que era.

Quantas vezes já ouvi isto nos últimos tempos. Por amigos. Por conhecidos. Nos jornais. Na televisão. Em quase todos os fóruns de opinião pública existente, especialmente nas redes sociais.

E é dito de uma forma claramente depreciativa. Dito de uma forma a rebaixar aquela que (ainda) é a companhia aérea de bandeira nacional.

É algo que, de facto, transcende gerações de portugueses. O espírito de no meu tempo é que era.

E lá no fundo é verdade. E ainda bem. 

A TAP já não é o que era. Já não é o que era porque a aviação comercial já não é o que era. As necessidades e exigências do transporte aéreo comercial moderno assim o exigem. Adaptou-se. Onde antes existiam rotações de três ou quatro horas hoje fazem-se em tão pouco tempo como 45 minutos. Onde antes se tinham rotas com 5 ou 6 passageiros hoje existem rotas com aviões quase sempre cheios. Onde antes existia uma frota de 20 ou 30 aviões, hoje existem mais de 60. O dobro. Onde antes não existia concorrência, hoje, e com o mercado liberalizado, existem dez, vinte, ou mais concorrentes.

E tudo isto implica mais exigência. O que levará a mais falhas de serviço, sem dúvida. Falhas essas que têm de ser resolvidas. Com empenho e pragmatismo. Mas elas são consequência da evolução de toda a envolvente aeronáutica.

 Foto: TAP Portugal (c)

Foto: TAP Portugal (c)

Ao ler o que se escreve por aí é difícil não ficar com a ideia que gerir expectativas, para quem voa na TAP, é uma tarefa impossível. Ora se quer preços que rivalizem com as companhias low cost, ora se quer um serviço de topo. E isso é, no mercado de hoje, impossível. Não é possível vender bilhetes a valores tão baixos como 36€ e servir uma refeição quente num voo de cinquenta minutos. E por mais que isso custe a alguns, a TAP não existe para cumprir as mordomias de uma classe, de um grupo ou de um indivíduo. Existe para, ao mesmo tempo que fornece um serviço em total segurança, gerar lucro. E isso obriga à tomada de decisões, por vezes difíceis, de convergência de serviço e adaptação ao mercado e concorrência.

A TAP ainda hoje representa Portugal. O nome está lá. Reflectido no indicativo de todos os voos: “Air Portugal”. E, independentemente de tudo, a TAP é ainda hoje uma referência. Referência de optimização (é das mais eficientes companhias da Europa, poucos fazem tanto com tão pouco). Referência de segurança (considerada a 7ª companhia aérea mais segura do mundo em 2014 pelo JACDEC, 3ª mais segura da Europa e constantemente no TOP 15). Referência como empresa (é o maior exportador nacional). Referência como símbolo nacional (ela é um pedaço de Portugal pelo mundo).

E, para o bem e para o mal, a verdade é que ela é a nossa companhia. Não entendo a vontade tão forte de alguns compatriotas meus de a verem falhar. 

A TAP representa um país: o nosso.  Com tradição, com profissionalismo e com alma (o que hoje em dia é difícil nesta indústria).

E isso deveria encher-nos de orgulho.

O mesmo que se tem ao ver o nome de Portugal inscrito na fuselagem de cada avião.

E tudo Tancos levou

“De bestial a besta num instante” já diz o ditado. 

Em pouco menos de duas semanas, como que por providência divina, tivemos dois acontecimentos que nos relembraram da nossa condição de falíveis. Após a vitória no Europeu de futebol e de uma vitória no Euro Festival da canção, que elevaram os ânimos da Nação, veio o incêndio de Pedrogão e o assalto ao arsenal de Tancos. Afinal, não só quando as coisas correm mal é “que a vida continua”. Quando correm bem também. E às vezes continua para pior. 

Dizia o EL PAÍS, um dos maiores periódicos espanhóis, em tons de gozo, que Portugal é de facto um país tão seguro, que qualquer pessoa pode ir a Tancos roubar uma arma.

E é (muito) difícil, neste caso, de não nos sentirmos merecedores desse insulto.

Como tem sido apanágio da vida pública nacional todos tentam desresponsabilizar-se. A oposição ataca o governo. O governo atribui culpas ao passado da oposição. O Estado Maior do Exército faz rolar cabeças na hierarquia militar. As forças armadas acusam o poder político. O “povo”, sempre com sede de sangue e quase sempre sem nenhum conhecimento de causa, culpa tudo e todos. Alguns até se remetem ao silêncio.

 Foto: Global Imagens (c)

Foto: Global Imagens (c)

Talvez ninguém tenha razão. Ou talvez tenham todos. Sim. Todos. 

As responsabilidades directas terão de ser apuradas, não tenho dúvidas. Quem efectou o assalto, e com que objectivo? Existiu colaboração interna? Houve negligência na vigilância? 

Mas as responsabilidades indirectas, dessas, ninguém se safa. E eu resumiria os três grandes responsáveis por essas de forma clara:

  1. O poder político. Por mais que qualquer ministro da defesa, primeiro ministro, ou qualquer outro membro do executivo dos últimos quarenta anos negue, tem existido um desinvestimento claro, contínuo e significativo nas forças armadas. O orçamento da defesa está longe dos 2% do produto interno bruto (PIB) exigidos pela NATO. A quantidade de efectivos reduziu tanto que nem uma divisão conseguiríamos equipar no Exército Português. O número de exercícios, de treino e de aprontamento nunca foi tão baixo. E parte do equipamento está obsoleto. Não dá votos, portanto corta-se. É, no mínimo, um insulto para quem jurou dar a vida em prol da manutenção da soberania nacional. É que quem lá serve – nas forças armadas – são pessoas como nós. Filhos, pais, mães e amigos. Mas quando for preciso, esperemos que não, são os primeiros a dar o peito às balas. Literalmente. Portanto, sim, o poder político, seja qual for o espectro político, é responsável pelo que aconteceu.
  2. O topo da hierarquia militar. Desde há muito tempo que parte da hierarquia militar de topo é influenciada politicamente. Não me interpretem mal: numa Democracia o poder militar, as forças armadas, deverão sempre – e reitero, sempre – depender, sujeitar-se e ser um braço do poder político. Mas isso não significa que não mantenham a sua independência em termos de gestão interna, funcionamento orgânico e, acima de tudo, de respeito para com os seus homens e dever com a Nação. Não é segredo nenhum que a escolha de alguns generais é feita por nomeação política, favorecendo alguém de determinada cor partidária em prol de, talvez, alguém mais competente ou alguém que questione quando é necessário. À frente das forças armadas pretende-se ter alguém que pense independentemente de quem está por cima, capaz de atirar com os pés à parede quando a situação assim o dita. Já dizia John Boyd: “Se o teu chefe te pede lealdade, dá-lhe integridade. Se te pede integridade, dá-lhe lealdade”. Tão verdade. Nas forças armadas jura-se defender a Pátria. Não um governo, um sistema político ou um partido. E nos últimos anos a hierarquia de topo militar foi complacente, por vezes até cúmplice, do poder político existente da altura. E isso faz dela responsável.
  3. O nacional-porreirismo. E aqui, meus caros amigos, aqui estamos todos nós. É um traço tão português. Tão nacional. Pensamos sempre que só acontece aos outros. A nossa descontração do dia a dia (tão boa, admito!) faz-nos acreditar que ataques terroristas? Só lá fora. Conflitos armados? Para lá do paralelo 20º. Vivemos tão pacificamente iludidos no nosso cantinho, que às vezes nos esquecemos que essa “paz” pode ser apenas passageira. Damos isto que temos como garantido. E isso leva-nos, a todos, a ser displicentes. Descuidados. Aumentamos o risco porque assumimos que cá é impossível isso acontecer. Criticamos as forças armadas, que deveriam ser estimadas, porque ignorantemente não compreendemos a sua necessidade e a sua importância fulcral. E está à vista o resultado. Só acontece aos outros até ao dia que nos acontece a nós. Sim. O nacional-porreirismo, a nossa maneira de ser, também é responsável. 

Dou por mim a pensar que, e nem acredito que vou escrever isto, espero que estas armas tenham como destino um país terceiro. Uma rebelião, ou mesmo grupos de crime organizado do leste europeu. Porque se tiverem como destino células terroristas os estragos serão inqualificáveis. 

O que aconteceu é surpreendente. É revoltante. É inadmissível

Um dia, se em algum atentado numa cidade europeia se descobrir que o armamento utilizado foi originário em Portugal, vamos todos olhar para trás e pensar “como foi possível”. 

Mas foi. 

E é bom que agora assumamos as nossas responsabilidades.

 
Todos nós. 

www.merlin37.com/tancos

Contrato do SIRESP - Isto é a sério?

O único ponto positivo de uma tragédia como a do Pedrogrão Grande – se é que existe algum, tenho imensa reserva em utilizar a palavra “positivo” – é o facto de nos por a todos a pensar. Ao Estado, aos órgãos públicos de soberania, aos órgãos de emergência e apoio e, finalmente, aos cidadãos. Obriga-nos a investigar, analisar, reformular e, espero eu, melhorar. 

O SIRESP – que significa Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal – é o projecto que consiste na concepção, fornecimento, montagem, construção, gestão e manutenção de um sistema integrado de tecnologia trunking digital, para a rede de emergência e segurança de Portugal que permitirá responder adequadamente aos desafios colocados às forças de segurança e da protecção civil na sua actuação diária ou em cenários de emergência - catástrofes, acidentes ou incêndios de grandes proporções. Não sou eu que o digo. É o próprio SIRESP, uma parceira público privada (PPP), no seu site oficial.

Simplificando, é o sistema de comunicações do Estado em casos de emergência ou de segurança nacional. 

 Foto: Daniel Rocha (c)

Foto: Daniel Rocha (c)

Sendo uma PPP o contrato do SIRESP é, como todos os outros, altamente polémico. A linha entre interesse público e privado é, também aqui, muito ténue e tende, pelos vistos, a beneficiar os privados. Após vários órgãos de comunicação social terem analisado o contrato, são encontrados alguns pontos bastante interessantes. É o caso da cláusula 17. (Poderão encontrar o contrato aqui: http://www.utap.pt/Contratos/seguranca/SIRESP.pdf )

Diz-nos então parte da cláusula 17, e aturem-me lá com isto: 

  • 17.1 Para os efeitos do contrato, considerar-se-ão casos de força maior os eventos imprevisíveis e irresistíveis, cujos efeitos se produzam independentemente da vontade da Operadora ou da sua actuação, ainda que indirectos, que comprovadamente impeçam ou tomem mais oneroso o cumprimento das suas obrigações contratuais. 
  • 17.2. Constituem, nomeadamente, casos de força maior actos de guerra ou subversão, hostilidades ou invasão, rebelião, terrorismo ou epidemias, raios, explosões, graves inundações, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que directamente afectem as actividades objecto do contrato.

Depois de ler isto vociferei a alto e bom som um palavrão que se ouviu dois quarteirões abaixo.

Isto é a sério? 

Tenho perfeita consciência que as PPP foram, na sua esmagadora maioria, extremamente ruinosas para o Estado – para “todos nós” leia-se. Mas adjudicamos um sistema de comunicações para situações de emergência (como diz o próprio nome) e depois desresponsabilizamos o fornecedor privado se algo correr mal... nessas mesmas situações? 

Ou seja, queremos um sistema de comunicações que funcione e seja eficaz em caso de, por exemplo, um terremoto. Mas se o sistema falhar (nota: o sistema que foi concebido para funcionar exactamente nessa situação) nenhuma coima é imputável ao seu Operador. 

Isto é Orwelliano.

Onde está a responsabilização que deveria existir? Onde está a redundância do sistema em caso de falha? No fundo, onde está a garantia do Estado para com os seus cidadãos, que compete proteger? 

Se isto continuar assim, um dia temos um incêndio de grandes proporções em que o sistema falha e, também como consequência disso, sofremos uma enorme perda de vidas humanas. 

Ah, esperem... 

Já tivemos. Aconteceu há duas semanas. 

Corro o risco de soar demagogo, mas que alguma coisa mude. E que se não for pelos dez milhões que cá andamos que o seja pelas sessenta e quatro famílias de luto. 

Elas merecem. E não é só economicamente eficiente. 

É moralmente obrigatório.

www.merlin37.com/siresp

(foto de capa: Rafael Marchante / Reuteurs)

TAP Vintage - Airbus A330

Deve ter sido uma altura única. Para aqueles que nela voaram, trabalharam ou simplesmente usufruíram dela. Falo dos primórdios da aviação comercial. Que época excepcional.

Sempre que oiço estórias daquele tempo, contadas na primeira pessoa, cresce em mim um verdadeiro sentimento de inveja saudável. Quem me dera ter vivido aquele período.

Hoje vemos a aviação como algo garantido. Algo comum e generalizado. E muitas vezes não nos apercebemos que da “Aventura” à “Rotina” vão apenas algumas dezenas de anos. Passaram pouco mais de cem anos desde que o homem finalmente submeteu o ar à tecnologia. Nós, portugueses, fizemos parte dessa gloriosa história. Cruzámos o atlântico sul, fizemos raides aéreos a África e a Macau. Alguns dos nossos aviadores foram os primeiros cartógrafos de muitas regiões remotas do globo. Tivemos impacto.

A companhia aérea nacional – a TAP Portugal – com pouco mais de setenta anos de existência, ainda hoje é uma das mais reconhecidas companhias aéreas mundiais, com uma imagem forte e um registo de segurança invejável.

Cruzar o Atlântico ou o deserto a bordo de um Airbus A330 não é o mesmo que era na altura da fundação da companhia. Hoje ficamos chateados porque o “wi-fi” não funciona a bordo ou porque não gostamos daquele recheio na sandes. Raios. Mas há setenta anos atrás, e a bordo de um velhinho C-47 Dakota, demorava-se mais de uma semana, com várias paragens, a chegar-se a Lourenço Marques, actual Maputo. Era um “milagre”. Cada voo era uma experiência nova. Um privilégio e, há que dizê-lo também, apenas acessível aos mais abastados.

 Um Boeing 747 da TAP Portugal (autor desconhecido)

Um Boeing 747 da TAP Portugal (autor desconhecido)

Com esta nostalgia e consciência histórica em mente, as grandes companhias aéreas mundiais (e já são poucas as que têm História e ainda sobrevivem) têm vindo a promover a pintura de alguns dos seus aviões com esquemas de pintura usados durante os chamados “anos de ouro” da aviação. Quando a aviação era “glamourosa” diz-se. Foi assim com a Lufthansa, com a Aer Lingus, Iberia, entre muitas outras.

Sempre pensei que era uma pena a TAP Portugal não ter uma dessas aeronaves. Com tanta história, com tanto reconhecimento e com tanto carinho por aquela companhia, não fazia sentido a TAP não possuir uma aeronave que nos transportasse de novo para aqueles tempos. E mesmo que não fosse pelo aspecto emocional, que o fosse pelo aspecto estético. As antigas pinturas da TAP eram, à falta de melhor palavra, lindas. Tinham classe. Aquelas décadas de 50 e 60 foram efectivamente anos de ouro da aviação, mas foram-no também do design.

Mas finalmente isso mudou.

A companhia aérea nacional pintou uma aeronave Airbus A330 com uma pintura “retro” da TAP.

E está fabulosa.

Uma pintura não só para relembrar o passado, mas também para nos relembrar que esta companhia (que é nossa e que representa, e muito, a imagem de Portugal lá fora) pode ter um futuro bastante risonho.

Começámos com caravelas. Evoluímos para naus. Depois vieram os barcos a vapor. Passámos para aviões de tela e de madeira. Agora usamos monstros de metal. Mas o espírito, esse, mantém-se o mesmo.

Parabéns TAP.

Parabéns Portugal.

www.merlin37.com/tapretro

 Foto: Hélio Sales (c) 

Foto: Hélio Sales (c) 

 O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c) 

O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c) 

 O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c)

O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c)

 O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c)

O "novo" A330 da TAP Portugal com pintura retro. Foto: Diogo Parra (c)

Inferno

É bom que nos lembremos, do conforto do nosso sofá e das nossas casas, que neste momento existem centenas de homens e mulheres, voluntários, dia e noite, a lutar e a dar a vida por nós e pelo nosso património.

É bom que nos lembremos que, enquanto nos queixamos da temperatura elevada com um pé na água, na praia, existem centenas de homens e mulheres, vestidos com fatos anti-fogo e quilogramas de equipamento, a lutar e a dar a vida por nós e pelo nosso património.

É bom que nos lembremos que, enquanto vemos futebol na TV, centenas de homens e mulheres estão deslocados dos seus lares, de forma voluntária, a lutar e a dar a vida por nós e pelo nosso património.

 Foto: Estela Silva (c) Agência LUSA

Foto: Estela Silva (c) Agência LUSA

Em terra e no ar. Bombeiros, militares, pilotos, forças da ordem, membros da protecção civil e civis incógnitos fazem tudo o que está ao seu alcance.

Não é bonito. Não é glamouroso. E não é fácil. Nada fácil. Mas eles estão lá.

Dizem por vezes que o inferno desce à terra. Desta vez desceu mesmo.

E quem o encara de frente são eles.

Boa sorte Camaradas.

www.merlin37.com/inferno

A Morte não escolhe

Lá fora o vento soprava violentamente, como se quisesse derrotar por submissão o nosso helicóptero. Por baixo de nós o mar estava forte, cavado, com uma ondulação cruel. Tudo a norte do Tejo fazia lembrar Inverno. E estávamos em Julho.  

Ao nosso lado, a pouco mais de quarenta pés, estava um pesqueiro que teimava em não parar quieto. Nós os cinco estávamos ali para retirar e transportar daquela casca de noz alguém que precisava de ajuda urgente. A operação poderia resumir-se de forma simples: iríamos colocar um homem (por sinal, nosso amigo e camarada) num espaço aproximado de um metro quadrado, num pesqueiro que não parava quieto, com ondulação de cinco metros, através de um cabo de aço ligado à nossa máquina que, por provável solidariedade ou mera teimosia também não parava quieta. E assim o fizemos. 

 Foto: André Garcez (c) 

Foto: André Garcez (c) 

Servi sob o comando de um Comandante de Esquadra que nos dizia algo do género: 

Quando a morte chega, ela não escolhe postos, não escolhes amizades, não escolhe géneros.

Aquela mensagem teve um forte impacto em mim e na maneira como voava. Significava simplesmente que, dentro daquele helicóptero, todos nós, desde o Piloto Comandante, ao Co-Piloto, ao Operador de Sistemas, passando pelo Recuperador Salvador e Enfermeiro, somos uma equipa. E como tal devemos trabalhar em perfeita sintonia num ambiente de respeito mútuo e total confiança. A missão por si só já era exigente e complexa, portanto era quase que obrigatório que todos estivéssemos na mesma página. Caso contrário, quando a coisa corresse mal, não havia posto ou amizade que se salvasse. Rodas no ar e todos os nossos problemas, pessoais ou não, ficavam em terra. O foco teria de ser só um. E lá dentro todos tínhamos de nos dar bem. 

Na aviação existe um conceito chamado de “Crew Resource Management” (CRM) que, muito resumidamente, defende que uma tripulação deve trabalhar em conjunto, inquirindo-se quando há dúvidas, e sem qualquer receio ou imposição de autoridade por de quem dela a usufrui. Sem medo de represálias entre eles. Um Co-Piloto não deverá ter medo de dizer a um Comandante que está errado e vice-versa. Chamem-lhe honestidade profissional. 

E aquela frase continua a ser uma das melhores referências a CRM que conheço.

Foi para mim um orgulho ter trabalhado em Esquadras de Voo onde em cada voo a confiança no Homem ao nosso lado era total. Quando tive a sorte de ganhar o meu Comando lembro-me claramente de voar em missões reais e sentir uma calma ímpar fruto da confiança plena em toda aquela malta, “presa” comigo naquele pedaço de alumínio e metal compósito. Quando alguém dizia algo sabia que o dizia sem qualquer tipo de restrição ou problema. Aliás, fazia-me mais confusão como é que eles tinham confiança em mim, um puto de 26 anos aos comandos!
Essa confiança, esse CRM, fazia com que fosse possível colocar um dos nossos homens naquele metro quadrado no convés daquele pesqueiro. 

A confiança, o respeito, o saber ouvir e a humildade de reconhecer o erro próprio, são a base de qualquer boa tripulação. De qualquer bom CRM. De qualquer bom aviador e arrisco-me a dizer, de qualquer boa pessoa. 

Se não for assim é bom que nos lembremos todos daquela frase. 

Quando a morte chega, ela não escolhe postos, não escolhe amizades, não escolhe géneros.

E ela anda sempre à espreita. 

Oito minutos

Lia no Washington Post outro dia, e no rescaldo do ataque terrorista no mercado de Natal em Berlim, que, talvez, a melhor reacção à recente onda de ataques terroristas seria ignorá-los. Defendia o artigo que a excessiva mediatização dos ataques contribuía para a sua glorificação e os tornava, com a complacência dos media ocidentais, em actos de recrutamento. Posição polémica, sem dúvida, mas não está desprovida de lógica. Um ataque terrorista tornou-se, na Europa de hoje, uma infeliz vulgaridade. 

Londres, mais uma vez, sofreu na pele. Já perdi a conta às vezes que lá fui. Gosto dela, da cidade. Do movimento, da mistura, do ambiente e da forma organizada como uma das maiores metrópoles mundiais aparenta funcionar.  

 Eficácia. 

Eficácia. 

Aparenta não. Funciona. 

Ontem, pelos piores motivos, foi a prova disso.

Oito minutos. 

Foram apenas oito minutos entre a primeira chamada para as autoridades até que os três suspeitos fossem abatidos. Paremos um momento para nos apercebermos da enormidade e da importância desses oito minutos. 

Numa cidade como Londres, enorme e confusa, bastaram oito minutos para uma resposta eficaz. Parece uma eternidade. Foi-o certamente para as pessoas que estiveram lá e viveram na primeira pessoa o final de dia de ontem. Mas não o é. 

Tão curtos e ao mesmo tempo tão longos.

Oito minutos numa cidade em que a maioria dos polícias patrulham desarmados e, ainda por cima, numa sexta-feira à noite não é impressionante. É exemplar

E essa rapidez talvez seja essa a prova que que já nos habituámos demasiado. 

Talvez seja essa a prova que, para nós, já é “normal”. 

Talvez seja essa a prova que Londres é uma Grande cidade. 

Oito minutos. 

Façam o favor de ser felizes

Que dia

Consigo imaginar-me daqui a largos anos, quando tiver o privilégio de ser avô, a dizer ao meu neto: “o teu avô é do tempo em que nos bares do Cais do Sodré passavam a Eurovisão na televisão”! Ao que antevejo uma resposta “Vai bugiar!”

Mas é verdade. Treze de Maio foi um dia... fora do normal. Frenético. “O regresso dos três F” dizem alguns. 

Aquele que é, porventura, o papa mais amado da história moderna terminou a sua visita a Portugal com a canonização de duas crianças portuguesas, 100 anos após o milagre de Fátima. Eu, que não sou crente, é-me mesmo assim difícil ficar indiferente. O mundo precisa de gajos assim: que em cargos repletos de conservadorismo puro demonstram uma simplicidade ímpar. 

A juntar a isto o Benfica conquistou pela primeira vez quatro campeonatos nacionais seguidos. Chamam-lhe o tetra. Aqui sou suspeito. Sou benfiquista. Mas convenhamos:  é histórico. Porventura o clube português com maior visibilidade mundial celebrou um feito inédito. 

E claro, o Salvador. Lá ganhámos o raio do festival da canção. Podemos não ser fãs dele, da canção ou do programa. Mas ele foi lá. Sozinho e a representar Portugal. E no meio da plateia, cantou. Fê-lo em português. Sem espectáculo, sem fogo, sem dançarinos. Só com a sua voz. E encantou. 

salvador

Eu sei que os velhos do Restelo existem. Estão vivos e de boa saúde. Aparecem no minuto seguinte inundando, não à beira das naus mas inundando as redes sociais. E também sei que não vivemos nos mais amigáveis dos tempos. O país não está saudável, reconheço. Mas porra! Encarem as vitórias com ânimo. Com celebração. Com orgulho e humildade. Celebrem o que há de bom de modo a relativizar o que há de mau. Inspirem-se. Sintam.

Se pecamos, pecamos por celebrar pouco. Por não celebrar aqueles que entre nós se destacam. E há tantos. Se há! 

Celebrar não significa descurar o resto. Não significa ser displicente. Tal como ter bom humor não é sinónimo de falta de profissionalismo. 

Hoje é o dia seguinte. E que dia bom para ser português.

Façam o favor de ser felizes. 

Pelo menos hoje.

www.merlin37.com/felizes

Então havia de ser em quê, Jeoren?

As recentes afirmações do presidente do Euro Grupo estão a fazer furor. Jeoren Dijsselbloem acusou os países do sul da Europa de gastarem o seu dinheiro em “copos e mulheres”. 

Então havia de ser em quê, Jeoren? Cortinados?

Nós por cá exagerámos na reacção, admito. Eu estaria muito mais preocupado se fosse europeu do Norte. Afirmar depreciativamente que nós, do sul, gastamos o nosso (pouco) dinheiro em bebida e em mulheres é o mesmo que afirmar que lá para cima, no Norte, se gasta noutras coisas – quiçá bem piores. É afirmar que os “nórdicos” preferem uma cadeira de design finlandês para a bancada da cozinha por trezentos euros do que uma garrafa de Pêra Manca por um décimo do preço. É afirmar que preferem um pisa-papéis adquirido em Copenhaga por duzentos euros em prol de uma noitada no LUX. É comprar um queijo em Amsterdão por sessenta euros em vez daquele tinto da Cartuxa por quatro euros e meio no Pingo Doce.

 Ora, então uma cadeira a 291€ ou um Pêra Manca a 33.50€? 

Ora, então uma cadeira a 291€ ou um Pêra Manca a 33.50€? 

Aí sim, eu estaria indignado! Cadeiras a trezentos euros? Venha mas é o tinto

E convenhamos Jeoren, quando se vem de um país onde é possível pagar aulas de condução com sexo – Holanda – não estarás a exagerar nas generalizações? 

Olha, vou beber um copo em tua honra! 

Saúde! 

www.merlin37.com/haviadeser