Esses gajos dos helicópteros

“Epah”, dizia, “não é bem assim”. Faz uns dias foi assim que respondi a um colega. Estávamos os dois no cockpit, algures sobre Espanha a trinta e sete mil pés, e falávamos de um traço muitas vezes associado ao povo português: a mesquinhez. Eu, de forma algo ingénua, ainda acreditava que aquilo seria uma reputação injusta.

 Os últimos dias provaram-me (mais uma vez) errado. Viver e aprender, como dizem os norte-americanos. Somos mesquinhos. E não é pouco.

 Após o recente falecimento de um piloto de combate a incêndios no norte do país, e pelo facto de o mesmo ser oficial piloto da Força Aérea, multiplicaram-se os comentários, manchetes e notícias sobre como pilotos militares participavam no combate a incêndios pondo em causa a sua legitimidade. “Militares tiram férias para ganhar milhares a apagar incêndios” foi, a título de exemplo, uma das manchetes publicada num jornal nacional. Às vezes, a forma como se escreve diz mais que o seu conteúdo.

Vamos lá esclarecer uma coisa: devemos ser o único país onde alguém nas suas férias decide trabalhar, em detrimento do seu descanso, em prol dos seus compatriotas e isso é visto como negativo.

Mas qual é o problema?

Porque é militar? Estava devidamente autorizado (como estavam todos) pela chefia máxima desse ramo militar, cumprindo todos os parâmetros exigidos pela lei e pela instituição militar.

Porque existem pilotos civis? A falta de pilotos de helicópteros com os requisitos mínimos para combate a incêndios, e disponíveis a fazê-lo, é tão significativa que obriga a “importar” pilotos estrangeiros, como é exemplo os elementos de nacionalidade espanhola e brasileira que neste momento voam em Portugal.

Porque é remunerado? Voar um helicóptero, com um balde cheio de água em carga suspensa, durante dez horas diárias num dos ambientes mais hostis em termos aeronáuticos, com orografia do terreno acidentada, obstáculos artificiais como postes de alta tensão, e turbulência extrema causada pelo incêndio é digno de quê? Uma palmada nas costas e um copo de água? Um “gosto” no Facebook? Uma corrente de amizade online? E, já agora convém lembrar, numa função que representa a defesa do património de todos os portugueses.

Confesso… às vezes não compreendo o que se passa na mente colectiva de quem habita este pequeno país. A Força Aérea Portuguesa não é um a prisão. Os seus militares – e neste caso concreto os seus pilotos – são elementos altamente treinados, profissionais e com valências distintas. Mas têm vidas para além da tropa. Têm famílias. Têm férias como todos nós. E sim, a sua formação é paga pelo erário público, tal como qualquer elemento da função pública ou formado pelo estado. Vamos portanto, pela mesma ordem de ideias, proibir os médicos formados em faculdades públicas portuguesas de exercer no privado? Vamos impedir um funcionário das finanças de abrir o seu negócio? Vamos impedir um bombeiro sapador de, nas suas férias, trabalhar como vigilante florestal para uma entidade privada? Vamos impedir um agente da PSP de ter um part-time se ele quiser providenciar melhores condições financeiras para a sua família?

Que diferença esta… da nossa mentalidade latina para a mentalidade anglo-saxónica onde ter vários empregos, onde trabalhar mais para “subir na vida”, é visto com admiração. E não com o escárnio e mal dizer que caracteriza a nossa reacção.

E faço aqui a minha declaração de interesses: fui piloto da Força Aérea. Fui piloto de helicópteros. Não fui piloto de combate a incêndios. E só tenho a agradecer a todos aqueles que todos os dias entram num helicóptero ou avião para combater um incêndio no meu país. E é justo o que ganham para o fazer? Claro que não. Deveriam ganhar o triplo.  

O Oficial Piloto Aviador que perdeu a vida foi Socorrista. Era Bombeiro. Era Piloto de Busca e Salvamento. Era Piloto de Combate a Incêndios. Porra, até os dois cães que tinha foram treinados pelo próprio, no seu tempo livre, para serem cães de busca e salvamento. Dedicou, literalmente, toda a sua existência à salvaguarda da vida dos seus compatriotas.

 Merecia mais de nós.

 Muito mais.

 

www.merlin37.com/gajoshelis

Foto de capa: autor desconhecido

Há heróis na multidão

“Estes tipos e a mania de conduzirem do lado contrário da estrada”, era a única coisa que me passava pela cabeça. Lá fora estava frio, daquele húmido que entra pelos ossos. Que tempo tão tipicamente inglês. Ao volante, tentava não ir em contra mão ou levar comigo uma ovelha no para-choques. Perdido numa qualquer aldeia nos arredores de Oxford, eu e um camarada, tentávamos desesperadamente chegar intactos à base aérea de Benson. Era aqui que nós, pilotos de EH-101 Merlin, efectuávamos o nosso simulador de treino anual. 

A comunidade de países que opera este helicóptero é relativamente pequena pelo que em Benson conseguíamos trocar impressões com quase todos os operadores daquela máquina. Ingleses, Japoneses, Canadianos e Dinamarqueses eram presença assídua por aquelas bandas. A juntar a isso um grupo de instrutores de vários tipos de helicóptero, com mais anos de voo do que eu de vida, estavam sempre presentes. 

E é com um deles que me começo a aperceber da particularidade da nossa operação em Portugal. Uma manhã, depois de mais uma viagem do “lado contrário da estrada”, e sem razão nenhuma aparente, discutíamos o alcance efectivo do EH-101. Ao referir o facto que, por norma, íamos em excesso das 370 milhas náuticas do ponto de descolagem, um instrutor dizia-nos que “não podia ser”. Ao que ficámos por ali vinte, talvez trinta minutos, a consultar os manuais e a mostrar-lhe que, para nós, essa era uma operação normal e regular. Erámos, pelos vistos, os únicos que efectuavam missões a tal distância, sob condições tão adversas de meteorologia e sem reabastecimento intermédio (os canadianos aproveitavam as plataformas petrolíferas como ponto de reabastecimento).

Foto: Luís Forra (Agência Lusa) (c)

Foto: Luís Forra (Agência Lusa) (c)

Por vezes, é difícil Portugal reconhecer os seus como profissionais, como bons ou mesmo como excepcionais. Tirando raras excepções – como no futebol – temos a tendência de relativizar pela negativa as nossas capacidades, comparando sempre com o que “vem de fora”. Algo feito “lá fora” parece ser sempre melhor do que algo “feito cá dentro”. É um pensamento negativo tão nosso, intrínseco no nosso ADN popular, com origem indeterminada. Quem sabe, talvez da altura do mapa cor de rosa. 

A realidade é que, mesmo sem esse reconhecimento, por cá temos muita gente muito boa, muito profissional e que nada deve a ninguém por esse globo fora. 

A Esquadra 751 da Força Aérea Portuguesa é um desses casos.

Todos os dias do ano, vinte e quatro horas por dia, aqueles pouco mais de cem militares mantêm em prontidão três alertas de busca e salvamento. Um no continente, um na Madeira e um nos Açores. Cerca de 20% daquele pequeno grupo está sempre de alerta, em prontos a descolar, revezando-se dia após dia, semana após semana, o que dará para perceber o esforço herculano de quem lá trabalha. 

A juntar a isso temos a importância da missão. Busca e salvamento, exigente mesmo nos dias mais calmos. Voar sempre que alguém precisa, faça o tempo que fizer, seja a que hora for. Fui um privilegiado por lá ter servido mais de quatro anos e por ter conhecido os camaradas que conheci. Vê-se por lá muita coisa que, pensamos, só seriam possíveis num qualquer filme produzido em Hollywood. Mas curiosamente, a grande diferença entre a realidade e a ficção é que a ficção tem de fazer sentido. A realidade, muitas vezes, não o faz. E quem quer que por lá tenha passado tem com certeza muitas estórias que os amigos pensarão que são um exagero. Mas não o são. Ali vivem-se situações extraordinárias. Há algo de imensamente reconfortante em ver no nosso dia a dia demonstrações de coragem, de abnegação e de sentido de dever. Sentir espírito de iniciativa ao invés de inércia. Sentir que, numa qualquer noite fria, num qualquer ponto do oceano, se for preciso, há um grupo de homens e mulheres que tudo farão para ajudar quem precisa. Foi, sem qualquer dúvida, um sítio excepcional para se trabalhar.

Por aquela gente sinto verdadeira admiração e respeito. 

Esse espírito, essa coragem e essa disponibilidade de fazer tudo por tudo em prol do próximo, é hoje finalmente reconhecida pela Nação. A Esquadra 751 recebeu das mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo da Sousa, a maior condecoração que um cidadão, ou grupo, pode receber do Estado português: a ordem militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Esta ordem é atribuída por feitos excepcionais de heroísmo militar ou cívico e actos ou serviços excpecionais de abnegação e sacrifício pela Pátria e pela Humanidade. 

Naquela condecoração estão quase quarenta anos de serviço. Milhares de vidas salvas e dezenas de milhares de horas de voo voadas. Estão centenas de militares. Estão muitos sucessos, mas também alguns falhanços. Muitos sonhos, muito suor e muitas lágrimas. E muito esforço familiar.

A Esquadra 751 é a primeira, e única, esquadra de voo da Força Aérea Portuguesa a ter a honra de ser agraciada com tal distinção a título colectivo. Não é, certamente, um pequeno feito. Hoje a Nação reconhece os seus.

Uma Missão extraordinária, só pode ser feita por pessoas extraordinárias.

E eu não me lembro de ninguém mais merecedor para tal. Ainda bem que ainda existem heróis na multidão. 

Aos que lá estão, e aos que por lá passaram, obrigado. 

Parabéns Esquadra 751.

www.merlin37.com/heroisnamultidao

(c) Força Aérea Portuguesa

(c) Força Aérea Portuguesa

10 de Junho - Finalmente

Imaginem três cidadãos. Margarida, António e José. A Margarida, civil, imigrante num país estrangeiro, abriu as portas da sua casa e do seu prédio a vários estranhos durante os piores ataques terroristas daquela cidade onde vivia. O António, ex-militar, aquando do seu serviço pelo seu país viu-se encurralado numa emboscada. Aí, perseguiu um inimigo. Feriu-o, capturou-o e prestou-lhe de imediato os primeiros socorros, arriscando a sua própria vida. O José, Sargento no activo das Forças Armadas, demonstrou excepcional coragem durante o seu destacamento no Kosovo – ainda uma zona tensa e violenta – no início deste ano. Seria mais um período de meses longe de casa e da família, em missão pelo seu país.

Imaginem agora outros três compatriotas. São eles Valentim, Armando e Zeinal. O Valentim passou grande parte da sua vida envolvido na vida política nacional. Maioritariamente em autarquias foi diversas vezes indiciado em crimes de corrupção e gestão danosa. O Armando, igualmente fruto da classe política nacional, dividiu o seu tempo entre a actividade política e empresarial. Na política nutriu e alimentou relações suspeitas com o mundo privado. No privado administrou diversas empresas sem que, à partida, tivesse competência para tal. É arguido e acusado de corrupção em diversos processos em curso. Zeinal, antigo e promissor gestor, conseguiu estar ao leme da mais poderosa e maior empresa portuguesa. As suas decisões (que muitos viam como acertadas) equivaleram a um gigante iceberg. O navio foi ao fundo.

Muito separa os primeiros três cidadãos dos últimos três. Mas algo os une. Todos foram condecorados em cerimónias do dia 10 de Junho. O dia de Portugal. 

Eu – como espero que a maioria dos meus concidadãos – identifico-me mais com os primeiros três. A Margarida, o António e o José.

E chegamos a 2016. Finalmente, e pela primeira vez na história recente do nosso país, foram condecorados apenas cidadãos que demonstraram actos de bravura. Actos de excepcional coragem ou dedicação ao próximo. Militares ou civis. Ponto. Sem politiquices. Sem bajulice. Sem exageros. Foram apenas dez. Longe dos vinte, trinta ou quarenta de outros tempos.

A Margarida, o António e o José foram três desses condecorados. 

E é assim que deve ser.

Não me interpretem mal. Muitos cidadãos nacionais merecem ser agraciados. Condecorados e reconhecidos por importantes serviços a nível nacional. Mas existem outras formas, outras datas, outras cerimónias para o efeito.

No dia 10 de Junho devíamos celebrar a bravura e a coragem que alguns dos nosso compatriotas demonstraram. Civis ou militares. Aquela garra portuguesa que tanto caracterizou este povo durante séculos.

E finalmente assim o foi.

10junho

A mais alta condecoração inglesa chama-se Victoria Cross (VC). É o equivalente da Medalha de Honra do congresso norte-americano. E uma maneira simples de homenagear os seus detentores é que a partir do momento em que alguém (e são muito poucos) recebe a Victoria Cross, toda a correspondência, papelada ou documentação oficial para esse indivíduo deverá sempre possuir antes do seu nome a inscrição “VC”. Obrigatório por lei. Seja uma carta para pagar, seja uma alocução pública. Para que todos, desde o carteiro ao presidente da câmara, saibam que aquela pessoa, incógnita e simples, é detentora da mais alta condecoração de estado, ao serviço da pátria e da Rainha.

E por cá poderia ser igual.

Os grandes portugueses existem. Aqueles de quem nos devemos orgulhar. Aqueles que demonstram coragem, bravura e dedicação muito para além do normal e do dever, muitas vezes pondo em risco aquilo que de mais sagrado têm: a própria vida.

Esses portugueses são portugueses como a Margarida, o António e o José.  

Incomensuravelmente mais importantes, mais inspiradores e mais merecedores que os Valentim, Armando e Zeinal deste país.

Finalmente tivemos um 10 de Junho ao nível de Portugal.

Um 10 de Junho de que me orgulho.

Finalmente.  

www.merlin37.com/finalmente