Virtude

Dizia um Furriel na reportagem emitida ontem pela SIC, sobre o curso 127 dos Comandos, durante a recruta do mesmo (anterior ao envio de alguns homens para a República Centro Africana): 

Aqui o objectivo é espírito de corpo. Que eles percebam que, aqui, o individualismo não os leva a lado nenhum.  Logo no primeiro dia em que vestem o uniforme eles entendem que basta um não estar bem e já estão todos mal. Um dia mais tarde, numa situação de combate, também não vão querer deixar um homem para trás.

Curto, claro e conciso. 

Porque é que a sociedade civil tem tanta dificuldade em entender isto? Pior: porque é que hoje em dia glorifica exactamente o oposto: o individualismo, o egoísmo, o ganhar a qualquer custo e, no processo, sacrificar terceiros. É a elevação do “Eu” face ao “Nós”. 

Não me interpretem mal: a competição, o lutar para ser melhor (e o melhor) e para se ser o “primeiro” é de salutar. Ser empreendedor e ambicionar superar os nossos pares é intrínseco à natureza humana. Somos competitivos e não existe volta a dar. Mas sê-lo esquecendo os valores da lealdade, da camaradagem, da entre-ajuda e de sentido de responsabilidade para com o próximo é malicioso e, a longo prazo, perigoso. 

Se não assimilarmos como sociedade o mais básico - este mesmo instinto de lutar por algo superior a nós, de serviço, de ajudar o próximo e fazer algo em prol de todos, nunca deixando o nosso “camarada para trás” - estaremos mais tarde ou mais cedo condenados à extinção como grupo. 

 Militares portugueses na República Centro Africana // Foto de artigo: TACP da Força Aérea Portuguesa // (c) EMGFA

Militares portugueses na República Centro Africana // Foto de artigo: TACP da Força Aérea Portuguesa // (c) EMGFA

Costumava pensar, ingenuamente admito, que não entendia o desprezo revelado por parte da sociedade civil à instituição militar. Não entendia o que (n)os poderia irritar num bando de gajos que juraram com a própria vida fazer tudo por tudo para (n)os defender. Agora entendo que em vez de estar a tentar perceber a causa desse facto, o deveria ter encarado como sintoma. 

Sintoma de como todos nós estamos aos poucos e poucos a ficar podres

E têm de ser uns “putos” de 18 anos de boina na cabeça a provar que afinal ainda há muita virtude por aí. Ainda há muita coragem por aí. Ainda há verticalidade e integridade por aí. A instituição castrense pode ter muitos defeitos… mas tem com certeza inúmeras virtudes. Daquelas que nos fazem imensa falta.  

Cento e sessenta homens podem não conseguir salvar um país. Podem até não conseguir ter um impacto significativo naquela nação no centro de África. Mas relembram certamente dez milhões de portugueses de algo que parece perdido em nove séculos de Portugal: 

Camaradagem. União. Espírito de corpo. 

E se todos nós, como povo, pensássemos assim, em equipa, viveríamos certamente num sítio melhor. 

Muito melhor. 

www.merlin37.com/virtude