O dever de memória

Celebra-se hoje um pouco por toda a Europa os cem anos do fim da Primeira Grande Guerra. Em vários países organizam-se paradas militares que têm como objectivo homenagear aqueles que tombaram em tão longínquo conflito. 

E ainda bem que por cá fazemos o mesmo. 

 Soldado português parte para a frente Europeia. (C) Joshua Benoliel / Arquivo Municipal de Lisboa

Soldado português parte para a frente Europeia. (C) Joshua Benoliel / Arquivo Municipal de Lisboa

Em Portugal foram poucas as vezes que tal aconteceu. A nossa memória colectiva é claramente selectiva. Escolhemos esquecer alguns episódios da nossa história, por vezes de forma presunçosa e rancorosa, sem nos apercebermos que, com isso, estamos a ser cruelmente injustos para com os nossos compatriotas que neles participaram.

A Primeira Grande Guerra é um claro exemplo. Milhares de portugueses lutaram, perderam a vida, ficaram feridos ou foram capturados naquele conflito. Longe do seu país, fosse na Flandres ou em África. Sem o mínimo de condições e menosprezados pelo poder político, deram o melhor de si - e o melhor de uma geração - em prol do seu país. Hoje homenageamos pessoas, e não actos ou motivações políticas. E é aqui que nós, como Nação, falhamos repetidamente: avaliamos os actos passados à luz da nossa sociedade, do nosso tempo e dos nossos valores. A razão política, a legitimidade do conflito ou a forma como foi gerido não está aqui em questão. Estão sim os nossos compatriotas que nesses conflitos lutam ou lutaram. E é incompreensível este desprezo que a sociedade civil tem para com os seus veteranos e militares no activo. Seja com aqueles que combateram há cem anos atrás, com aqueles que combateram no Ultramar ou com os militares que hoje combatem sob égide das Nações Unidas, União Europeia ou NATO em teatros tão distintos como a República Centro-Africana, o Afeganistão ou o Mali.  

Hoje, como “ontem”, estão ali homens e mulheres que dão o melhor de si, com coragem e altruísmo nas mais difíceis condições em combate, pelo seu país. 

Hoje não se celebra só o fim da Primeira Grande Guerra. Celebram-se todos aqueles que lutaram, ou lutam,  pela nossa Nação. Por nós.

A eles lhe devemos grande parte daquilo que temos. 

E o mínimo que lhes podemos oferecer é Respeito


Não é só correcto. É moralmente obrigatório.


www.merlin37.com/memoria