Please don´t take me home

Cinquenta graus. Deviam estar uns cinquenta graus. O ar era abafado, tropical até. Centenas de mãos, suadas, batiam nos vidros. A cada paragem o ar fresco que entrava por aquelas portas, cruelmente abertas apenas por segundos, sabia a doce salvação.

“Fodass”, pensava, “onde é que eu me vi meter”. 

Estava no meio de um eléctrico de superfície em Lyon. Eu e mais três portugueses. E trezentos galeses. 

Ali, no meio daquelas quatro carruagens, éramos uma pequena ilha no centro de um furacão. 

“Please don´t take me home” cantavam. 

A viagem durou uns vinte minutos. Talvez trinta. Talvez dez. Tinha apenas uma certeza: nunca tinha suado tanto na vida. 

Aos poucos e poucos, e à medida que nos íamos aproximando do estádio, a diferença de nacionalidades foi-se esbatendo. Via-se mais um português ali. Mais dois. Mais três. Até ao ponto em que à chegada ao estádio as hostes estavam mais ou menos equilibradas. Eles de vermelho, e nós também. 

O estádio do Lyon é bonito. Limpo, arejado. “Tem pinta”, diria. Prova que afinal os franceses lá sabem fazer alguma coisa para além de queijos. Sento-me. Do meu lado esquerdo, ali mesmo a uns escassos metro e meio, uns milhares de galeses. Do meu lado direito uns milhares de portugueses. Estou na fronteira. Estou mesmo “naquela linha que separa”. Se isto der para o torto por alguma razão já sei quem vai levar primeiro. Eu. “Que reconfortante!”

Entram as equipas. Cantam-se os hinos. Primeiro o Galês, claro, que o melhor fica sempre para o fim. Cachecóis no ar, esticados, e ecoa a portuguesa por aquelas paredes. Cantada por milhares, cantada por milhões. E finalmente, rola a bola. 

“Corre caraaaallhhhhooooo!”, gritava. Já aqui o disse, não sou subtil a ver a bola, muito menos “in loco”. Algo de mágico acontece ao ver um jogo entre selecções para uma competição internacional. Um jogo entre clubes é intenso, sem dúvida, mas entre equipas nacionais sabe a outra coisa. Sabe a conflito. Como se aquele campo fosse o substituto físico de uma pequena “guerra”. 

Entre suor, gritos e muito praguejar lá vamos para intervalo. Zero no marcador. De empate a empate até à vitória nacional, pensámos todos. Que se foda. O importante é no fim estarmos em Paris. Desço as escadas e segue-se o ritual de todo e qualquer jogo: comer qualquer coisa. A decisão recai sobre um hamburger que mais parece plasticina. Pois é, estamos em França. Haviam de ter uma tábua de Rocquefort que isso é que era serviço. 

O senhor do apito lá dá sinal e aqueles vinte e dois homens em campo começam a correr novamente. 

Estávamos a jogar bem. Com garra. Mais do que aquela que se viu nos últimos jogos. A bola roda para área vinda da esquerda. Um canto marcado de forma curta. Aquele tipo – o melhor do mundo que costumava ter uma namorada russa – eleva-se no ar. Parece que se mantém imóvel, lá em cima, por meio segundo. Como se o tempo parasse, como se tudo à sua volta estivesse relativizado àquele instante. E é o suficiente. 


GOLOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!


Metade do estádio explode em alegria. Salta, grita, mostra as garras. Irrompe em felicidade instantânea. Vingança divina esta. A outra metade do recinto, aquela que cantava que o Ronaldo não valia nada, não se ouvia. Baixavam as orelhas e apercebiam-se todos, subitamente, que falaram antes do tempo. Também no futebol existe “karma”, pensariam certamente. 

 (c) UEFA

(c) UEFA

Os lusos, revigorados, cantavam ainda mais alto. Mais forte. Mais longe. Mas não houve descanso. E ainda bem. Poucos minutos depois, ainda toda a gente saltava no ar, a bola lá entrou outra vez naquela baliza. E aquela final, que tinha estado tão longe, estava ali, à mão de semear. Faltavam uns longos minutos de sofrimento. Naquele estádio ninguém se calou. Nunca tinha visto um jogo da selecção com tanto apoio. Parecia uma torcida profissional. 

O árbitro apita. Termina o jogo. Viro-me para o galês, à minha esquerda, do lado de lá das escadas, e retribuo o acto de cortesia que ele fez no início do jogo. Cumprimento-o, dou-lhe uma palmada nas costas. “What a great match. You should be proud of Wales”. “I am”, responde. E com razão. Mesmo a perder, aos noventa minutos, todos eles cantam o hino. Orgulhosos dos onze que os representaram. Assim vale a pena. 

Hora de ir embora. Por entre milhares lá arranjamos lugar num autocarro. Os mesmos quatro.
Curiosamente, e novamente, os únicos quatros portugueses num autocarro cheio de galeses. Tal como na chegada. Com uma pequena grande diferença. Desta vez ninguém cantava. Um silêncio sinistro. As nossas camisolas portuguesas brilhavam no meio de todas as outras, como se de ouro fossem. 

“Please don´t take me home”, tinham eles cantado. 

I´m sorry” dizia eu. 

Mas hoje vão mesmo para casa. 

Que nós vamos para Paris!

www.merlin37.com/meiasfinais