Fez-se luz

“Embora, embora, EMBORA! Corre porra”. Atrás de nós, lá ao fundo, via-se os faróis do carro que se aproximava. 

Pelo canto do olho consigo ver que os meus dois camaradas já não estão ali, do meu lado direito. Em dois segundos saltaram, de forma olímpica, uma vedação de arame farpado com quase dois metros de altura.

“Que raio?”, pensava eu. A vedação tinha uma entrada ali à frente. Vinte metros talvez. É dar a corda às pernas. Cinco segundos e estou lá. 

Estava no curso SERE (Sobrevivência, Evasão, Resistência e Extracção). Mais conhecido na gíria militar como “Fuga”. A vida operacional de um piloto militar não passa apenas pelo curso de pilotagem. A Força Aérea Portuguesa (por doutrina NATO) fornece aos seus elementos um variado leque de cursos – de cariz obrigatório – que visam preparar os militares para situações reais de combate. Cursos de sobrevivência em ambiente aquático, curso SERE, tiro de combate, cursos de guerra NBQ (Nuclear/Biológica/Química), Curso Suporte Avançado de Vida, entre tantos outros. 

O SERE era, porventura, o mais temido e mais exigente. 

Embora a maior parte dos pormenores deste curso se mantenham confidenciais, já se efectuaram reportagens sobre o mesmo e alguma da sua dinâmica é de conhecimento público. 

Parte do curso passa por largar os instruendos, durante o Inverno, algures na zona da Serra da Malcata no interior centro do país. Em grupos de três teremos de percorrer todas as noites uma determinada distância, efectuando determinados procedimentos e sempre com malta simpática a tentar “caçar-nos”. Esta fase tem a duração de uma semana. 

Frio. Fome. Sede. Muita sede. E gajos pouco simpáticos. Parece-me um resumo fiel. 

O curso é desenhado de modo a simular a perda da nossa aeronave atrás das linhas do inimigo e obrigar-nos a nós, os instruendos, a aplicar as técnicas que nos foram demonstradas.

 Foto: Força Aérea Portuguesa (c)

Foto: Força Aérea Portuguesa (c)

E portanto ali estava eu, já no quarto dia de exaustão, no meio de uma estrada, sozinho entre duas vedações de arame farpado mais altas do que eu.

É importante realçar que a noite estava escura. Escura como breu. Daquelas que raramente sentimos na pele. No ar apenas o som dos moinhos eólicos ali instalados . Whummp. Whummp. Whummp. E nas minhas costas a luz cruel daqueles faróis que se aproximavam. 

Começo a correr. A entrada estava já ali. Vinte metros. Quinze metros. Dez metros. Não me sai da cabeça porque é que raio é que os gajos que estavam comigo saltaram pela vedação em vez de percorrer esta curta distância. Os faróis ainda estavam longe. Cinco metros. Um metro. Isto tudo em três, quatro segundos. Finalmente coloco um pé na entrada. 

Agora imaginem isto. Imaginem que estão de pé, a olhar para um monte que se encontra a uns vinte quilómetros à vossa frente. Esse monte tem uns moinhos eólicos no topo. Imaginem que está uma das noites mais escuras que viram na vossa vida. E agora imaginem que nesse instante, nesse segundo, metade do monte se ilumina. Luz. Luz por todo o lado. Como se um disco voador ali tivesse decidido parar para o condutor esvaziar a bexiga. Provavelmente foi isso que algum espectador que por lá estivesse naquela noite pensou. 

“Mas que caral...”, penso para mim mesmo. No instante em que coloco o pé na entrada daquela propriedade uns três ou quatro focos de luz acendem-se. Sensores de movimento. O seu único propósito? Anunciar a minha posição. Se já não fosse por demais evidente que ali, no centro de toda aquela luminosidade, estava um gajo que não devia estar ali, salvo seja o cabrão do empreiteiro que tratou da obra e decidiu igualmente instalar um alarme sonoro. O ar calmo e frio daquela noite foi invadido por uma gritante, e nada discreta, sirene. Quatro ambulâncias do INEM em uníssono não fariam melhor. 

E eu? Bem, eu nunca desci um monte, montanha ou lá o que um geógrafo chama ao sítio onde estava tão rápido como naquela noite. Fui a correr, às cambalhotas, a arrastar-me pelo meio daqueles pinheiros e rochas. Lá me consegui esconder, muitos metros de quota abaixo. 

Quando toda aquela comoção passou lá me recompus, tirei uns segundos para praguejar contra a minha pessoa e ver se não tinha nada partido. Aproveitei e amaldiçoei o arquitecto que se lembrou de instalar aquela obra do diabo, e iniciei a difícil tarefa de me tentar reunir com os meus camaradas. 

Ao subir o monte passo por uma árvore que me parece ter um mocho como inquilino. 

Olha-me com aqueles olhos bem abertos. Imagino o que lhe vai na mente: 

“Palhaço”.

Podes crer mocho. 

Podes crer.

Para saberem mais sobre a rapaziada e o curso SERE visitem: www.emfa.pt/www/po/ctsfa

www.merlin37.com/fuga