Então havia de ser em quê, Jeoren?

As recentes afirmações do presidente do Euro Grupo estão a fazer furor. Jeoren Dijsselbloem acusou os países do sul da Europa de gastarem o seu dinheiro em “copos e mulheres”. 

Então havia de ser em quê, Jeoren? Cortinados?

Nós por cá exagerámos na reacção, admito. Eu estaria muito mais preocupado se fosse europeu do Norte. Afirmar depreciativamente que nós, do sul, gastamos o nosso (pouco) dinheiro em bebida e em mulheres é o mesmo que afirmar que lá para cima, no Norte, se gasta noutras coisas – quiçá bem piores. É afirmar que os “nórdicos” preferem uma cadeira de design finlandês para a bancada da cozinha por trezentos euros do que uma garrafa de Pêra Manca por um décimo do preço. É afirmar que preferem um pisa-papéis adquirido em Copenhaga por duzentos euros em prol de uma noitada no LUX. É comprar um queijo em Amsterdão por sessenta euros em vez daquele tinto da Cartuxa por quatro euros e meio no Pingo Doce.

Ora, então uma cadeira a 291€ ou um Pêra Manca a 33.50€? 

Ora, então uma cadeira a 291€ ou um Pêra Manca a 33.50€? 

Aí sim, eu estaria indignado! Cadeiras a trezentos euros? Venha mas é o tinto

E convenhamos Jeoren, quando se vem de um país onde é possível pagar aulas de condução com sexo – Holanda – não estarás a exagerar nas generalizações? 

Olha, vou beber um copo em tua honra! 

Saúde! 

www.merlin37.com/haviadeser

E hoje Comandos?

Soube-se ontem que o destacamento português na República Centro Africana, parte integrante da missão das Nações Unidas naquele país, entrou em combate. Sim, combate real. Por essa acção, que decorreu faz mais ou menos duas semanas, os militares portugueses foram agraciados com um louvor por parte do comandante das forças internacionais no terreno. Pela sua “prontidão operacional e excelente desempenho" na protecção da pequena localidade de Bambari de um grupo de rebeldes que a ameaçava.

O destacamento nacional – que representa a força de reacção rápida naquele teatro de operações – é composto por diversos militares do Exército e da Força Aérea Portuguesa mas, na sua grande maioria, é composto por Comandos. 

Os mesmos Comandos que, há alguns meses atrás, viram a sua existência ameaçada. O seu desempenho questionado e a sua honra manchada na praça pública. Alguns elementos políticos exigiram a sua eliminação a plenos pulmões.  Jornais colocaram-nos na capa. Telejornais abriram a emissão com eles. Gravaram-se reportagens especiais. Escreveram-se inúmeros textos de opinião. Esmiuçaram de fio a pavio o regimento, e, alguns, exploraram até ao limite o sofrimento dos familiares de quem, infelizmente, não sobreviveu. 

Militares portugueses na República Centro-Africana (autor desconhecido)

Militares portugueses na República Centro-Africana (autor desconhecido)

E hoje

Hoje temos um punhado de homens e mulheres – cento e sessenta para ser exacto – que numa missão das Nações Unidas, num dos mais perigosos países africanos, cumprem o seu dever de forma exemplar. Com dedicação, com garra e, há que dizê-lo, com uns tomates do caraças. 

E, digo-o novamente, em combate. Sim. Combate. Não numa qualquer secretária em São Bento, mas no meio de uma selva africana com as balas a zumbirem ao ouvido. Homens e mulheres que, com a bandeira nacional no braço, defendem quem não tem possibilidade de se defender. 

Honram e elevam o nome de Portugal. 

E hoje

Hoje não há capas de jornais. Não há notícias de abertura. Não há reportagens especiais. 

Há somente a saudade angustiante de cento e sessenta famílias.

Algo me diz que para eles é suficiente

Parabéns Comandos. 

www.merlin37.com/rcacomandos

 

O louvor às tropas portuguesas.

O louvor às tropas portuguesas.

No céu das espumas de barbear

Foi um ano. Dezoito meses. Talvez mesmo dois anos. Ou talvez mais! Não sei quanto tempo duraste. Mas duraste muito. Mais do que era suposto! Serás relembrado com saudade meu querido gel de barbear. 

Bem sei que não fui o amigo perfeito. De facto tenho parte da minha superfície facial coberta permanentemente de “penugem”. No entanto eras tu que me ajudavas a ter um ar civilizado.  A aparar no pescoço, na fronteira da barba. 

Cumpriste o teu dever com coragem. Sempre presente. Estiveste comigo por todo o mundo. Por toda a Europa. Dos Estados Unidos ao Japão. Da Tailândia ao Brasil. Estiveste lá. E, tal como me apareceste numa prateleira de um qualquer supermercado um dia, despareceste sem dar aviso.

Nunca te queixaste. Nunca. Nem mesmo quando a tira de Aloé Vera da lâmina de barbear estava mais gasta que um autocarro da Carris. Aguentaste estoicamente. 

Se Homero fizesse a barba, serias personagem de epopeia estou certo. 

Não sei como estás agora, mas sei onde estás. Estarás certamente no céu das espumas e gel de barbear. Céu esse onde todos os homens têm barba palha d´aço e todas as mulheres ostentam um orgulhoso e voluptuoso buço

Descansa em paz! 

Mereces.

 

www.merlin37.com/espumadebarbear

25 de Novembro

Julgava eu que nos esquecíamos apenas da história distante. Remota e longínqua, perdida nos séculos de existência deste país. Pelos vistos não. Esquece-mo-nos igualmente da recente. 

25 de Novembro de 1975. Faz hoje quarenta e um anos. 

Quarenta e um anos em que a ala moderada do MFA, da sociedade e do poder político evitou que passássemos de uma ditadura para outra. Com uns tomates do tamanho do mundo, alguns evitaram que todos os outros voltassem a viver num regime não-democrático. E hoje, passado quarenta e um anos, parece que existe quem queira esquecer. Não gosto de extremismo. É, por definição, a expressão máxima de egoísmo, ignorância e intolerância. 

Seja de direita. Ou seja de esquerda. O que quer que isso signifique. 

Foto: Arquivo DN // Diário de Notícias

Foto: Arquivo DN // Diário de Notícias

Não há 25 de Novembro sem 25 de Abril. Mas também não há 25 de Abril sem 25 de Novembro. 

Como diria Jaime Neves aos seus Comandos: 

“Jurar bandeira na hora que passa é puxar um Portugal eterno. Para além dos homens, para além das ideologias, para além das revoluções.

Soldados! Militares! 

O vosso compromisso não é com os homens. O vosso compromisso não é com as ideologias nem com os partidos, muito menos com as revoluções. O vosso compromisso, a vossa aposta, é com a Pátria!”

Houvessem hoje mais gajos assim.

www.merlin37.com/25novembro

Aqui estamos, prontos para o sacrifício

Mama Sumae. É esse o grito dos Comandos. Originalmente de uma tribo Bantu, do sul de Angola, foi adoptado pelos boinas vermelhas aquando da sua criação. Significa simplesmente “Aqui estamos, prontos para o sacrifício”.

Na sociedade actual, por sinal cada vez mais individualista e rendida ao culto do próprio, não deixa de ser digno existir um punhado de gajos que têm como lema a sua disponibilidade em se sacrificarem por nós. Pelo país. Pela Nação. 

Durante os últimos dias tem-se ouvido um significativo número de vozes a defender a extinção do regimento de Comandos. Dois instruendos, pertencentes ao mais recente curso desta força, faleceram durante o desenrolar do mesmo. Como é natural por estes lados, uma onda populista apoderou-se de quem nestas alturas deveria ter, pelo contrário, a cabeça fria. O ministro da Defesa pondera a extinção do regimento e um partido directamente relacionado com o governo exige em praça pública a extinção dos boinas vermelhas. 

Que fique bem claro: qualquer morte que ocorra em instrução militar é de lamentar. Tem de ser obrigatoriamente investigada. Tem de se perceber a razão e corrigir as causas se necessário. Tem de se punir se tiver existido negligência. O treino deverá levar um indivíduo ao limite. Nunca ultrapassá-lo. Mas daí a se exigir a extinção de uma força é, à falta de melhor, populismo puro e duro. Estaria ao mesmo nível de extinguirmos a prática do futebol por morrer um jogador em campo. De pararmos a aviação comercial porque um piloto se suicidou nos Alpes. De proibir a natação porque alguém morre afogado. 

Foto: (c) Pedro Monteiro (todos os direitos reservados)

Foto: (c) Pedro Monteiro (todos os direitos reservados)

A formação dos Comandos não é dura por capricho. Por gosto ou sadismo dos instrutores. 

É dura por necessidade

É dura porque em combate, quando as balas começam a zumbir ao ouvido, e a confusão e o medo se tornam numa constante, a única pessoa em quem se pode confiar é no homem ao nosso lado. 

É dura porque para sobreviver é preciso ser mais forte. É preciso ser o mais preparado. O mais bem treinado. 

É dura porque tem de se separar o trigo do joio. Porque tem de se descobrir o carácter de uma pessoa. Tem de se descobrir quem o tem e que não o tem. Quem está pronto a ir até ao limite das suas forças para salvar o homem ao seu lado. Para cumprir a missão. Para servir o seu país. 

É dura porque é preciso quem marche trinta quilómetros com trinta quilos às costas.

É dura porque um pequeno erro no Afeganistão, no Iraque ou no Mali pode custar a vida. Os Comandos sabem-no. Estão, ou estiveram, em todos esses teatros de operações. E lá o sol não brilhava a quarenta graus. Brilhava a cinquenta.

É dura porque dela dependem vidas.

Não usa uma boina vermelha quem quer. Usa quem a merece. E quem a usa, usa-a orgulhosamente e com mérito próprio: conceito que alguns, numa sociedade civil habituada a cunhas e favores, terão alguma dificuldade em entender. Ali ainda há valor. Há mérito. Há orgulho e sentido de corpo. Há camaradagem. E muita. 

Quem defende a extinção dos Comandos não só adere a uma vaga de populismo incompreensível como revela uma extraordinária falta de visão geoestratégica do mundo que nos rodeia. Mundo esse onde a utilização de forças especiais ou de elite tem crescido face ao uso de forças convencionais. 

Pode ser que quando alguns dos críticos de hoje se virem aflitos no dia de “amanhã”, sob ameaça da própria vida, comecem a dar valor ao treino daqueles que farão tudo ao seu alcance para os resgatar sãos e salvos. 

É bem provável que estejam Comandos entre eles.  

E, talvez aí, percebam.

www.merlin37.com/mamasumae

A lista

Trezentos e trinta e dois.

Trezentos e trinta e dois nomes. É esse o número de políticos e juízes do tribunal constitucional que fazem parte da lista de elementos que recebem subvenções vitalícias por parte do Estado. Nessa lista não estão incluídos ex-presidentes da República nem membros do governo regional da Madeira.

E, mesmo assim, são uns expressivos trezentos e trinta e dois.

Muitos nomes familiares e da história política recente se podem ler por lá. De todos os espectros políticos. Ninguém fica “impune”. Da Esquerda à Direita. De Odete Santos a Carlos Carvalhas. De Sócrates, Armando Vara (condenado por tráfico de influências diga-se) a Manuel Alegre e António Guterres. De Duarte Lima (igualmente já condenado pela justiça portuguesa) a Freitas do Amaral. De Mota Amaral a Assunção Cristas.

Sabemos quem está na lista. No entanto – e tão mais importante – sabemos quem não está. Outros nomes.


Nomes como António Lopes, veterano da guerra do Ultramar. António, que serviu o seu país, lutou além fronteiras, leva para casa um suplemento de reforma de cento e cinquenta euros (150) anuais. Sim, anuais. Um pouco diferente dos dois mil oitocentos e dezanove (2819) euros que Carlos Carvalhas recebe todos os meses.

Não me interpretem mal. Muitas vezes remo contra a maré: sou daqueles que pensa genuinamente que os políticos têm de ser bem pagos. Muito bem pagos até. Mas estas subvenções vitalícias deixam-me com um revoltante “fodass” latente na ponta da língua.

Não sou igualmente contra subvenções vitalícias. Acho que diversos elementos da nossa sociedade devem, e merecem, ser reconhecidos pelo seu serviço a todos nós. Pela forma como contribuíram e se dedicaram ao bem geral. Ao bem da sociedade onde se inserem. E, admito, as subvenções podem ser uma das formas de retribuir quem tanto já deu.

Mas sou claramente contra a forma como são atribuídas.


Tenho, presumo, uma definição de “serviço” diametralmente diferente de quem escreveu, aprovou e defende esta lista.

Curiosamente tanto os deputados (a quem compete escrever as leis) como os juízes do tribunal constitucional (a quem compete garantir que elas não vão contra o espírito da República e da Constituição) estão na lista. O que em nada abona a imagem do regime democrático nacional.

Se oito anos como deputado daria direito a uma subvenção, o que dizer de todos aqueles que, vivendo no meio de nós, dão todos os dias o seu trabalho, suor, dedicação e, por vezes, a sua vida, em prol do bem comum?

Mais uma vez o digo: os políticos têm o direito de ser bem remunerados. Têm o direito de receber após cessação da sua função. E para existem mecanismos previstos na lei. A nossa sociedade é, de facto, baseada nesse conceito simples. Chama-se “Reforma”. E se um político trabalha, ganha e desconta – como todos nós – terá uma reforma congruente com o seu estatuto, ordenado e posição social.

Ter subvenções vitalícias para quem legisla, e para quem deveria controlar quem legisla, nos tempos que correm – tempos de crise, de desemprego, de pobreza – não é só economicamente ineficiente.

É moralmente inaceitável.

Estou certo que o António, veterano do Ultramar, concordaria com isto.

Eu também.

www.merlin37.com/alista

Please don´t take me home

Cinquenta graus. Deviam estar uns cinquenta graus. O ar era abafado, tropical até. Centenas de mãos, suadas, batiam nos vidros. A cada paragem o ar fresco que entrava por aquelas portas, cruelmente abertas apenas por segundos, sabia a doce salvação.

“Fodass”, pensava, “onde é que eu me vi meter”. 

Estava no meio de um eléctrico de superfície em Lyon. Eu e mais três portugueses. E trezentos galeses. 

Ali, no meio daquelas quatro carruagens, éramos uma pequena ilha no centro de um furacão. 

“Please don´t take me home” cantavam. 

A viagem durou uns vinte minutos. Talvez trinta. Talvez dez. Tinha apenas uma certeza: nunca tinha suado tanto na vida. 

Aos poucos e poucos, e à medida que nos íamos aproximando do estádio, a diferença de nacionalidades foi-se esbatendo. Via-se mais um português ali. Mais dois. Mais três. Até ao ponto em que à chegada ao estádio as hostes estavam mais ou menos equilibradas. Eles de vermelho, e nós também. 

O estádio do Lyon é bonito. Limpo, arejado. “Tem pinta”, diria. Prova que afinal os franceses lá sabem fazer alguma coisa para além de queijos. Sento-me. Do meu lado esquerdo, ali mesmo a uns escassos metro e meio, uns milhares de galeses. Do meu lado direito uns milhares de portugueses. Estou na fronteira. Estou mesmo “naquela linha que separa”. Se isto der para o torto por alguma razão já sei quem vai levar primeiro. Eu. “Que reconfortante!”

Entram as equipas. Cantam-se os hinos. Primeiro o Galês, claro, que o melhor fica sempre para o fim. Cachecóis no ar, esticados, e ecoa a portuguesa por aquelas paredes. Cantada por milhares, cantada por milhões. E finalmente, rola a bola. 

“Corre caraaaallhhhhooooo!”, gritava. Já aqui o disse, não sou subtil a ver a bola, muito menos “in loco”. Algo de mágico acontece ao ver um jogo entre selecções para uma competição internacional. Um jogo entre clubes é intenso, sem dúvida, mas entre equipas nacionais sabe a outra coisa. Sabe a conflito. Como se aquele campo fosse o substituto físico de uma pequena “guerra”. 

Entre suor, gritos e muito praguejar lá vamos para intervalo. Zero no marcador. De empate a empate até à vitória nacional, pensámos todos. Que se foda. O importante é no fim estarmos em Paris. Desço as escadas e segue-se o ritual de todo e qualquer jogo: comer qualquer coisa. A decisão recai sobre um hamburger que mais parece plasticina. Pois é, estamos em França. Haviam de ter uma tábua de Rocquefort que isso é que era serviço. 

O senhor do apito lá dá sinal e aqueles vinte e dois homens em campo começam a correr novamente. 

Estávamos a jogar bem. Com garra. Mais do que aquela que se viu nos últimos jogos. A bola roda para área vinda da esquerda. Um canto marcado de forma curta. Aquele tipo – o melhor do mundo que costumava ter uma namorada russa – eleva-se no ar. Parece que se mantém imóvel, lá em cima, por meio segundo. Como se o tempo parasse, como se tudo à sua volta estivesse relativizado àquele instante. E é o suficiente. 


GOLOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!


Metade do estádio explode em alegria. Salta, grita, mostra as garras. Irrompe em felicidade instantânea. Vingança divina esta. A outra metade do recinto, aquela que cantava que o Ronaldo não valia nada, não se ouvia. Baixavam as orelhas e apercebiam-se todos, subitamente, que falaram antes do tempo. Também no futebol existe “karma”, pensariam certamente. 

(c) UEFA

(c) UEFA

Os lusos, revigorados, cantavam ainda mais alto. Mais forte. Mais longe. Mas não houve descanso. E ainda bem. Poucos minutos depois, ainda toda a gente saltava no ar, a bola lá entrou outra vez naquela baliza. E aquela final, que tinha estado tão longe, estava ali, à mão de semear. Faltavam uns longos minutos de sofrimento. Naquele estádio ninguém se calou. Nunca tinha visto um jogo da selecção com tanto apoio. Parecia uma torcida profissional. 

O árbitro apita. Termina o jogo. Viro-me para o galês, à minha esquerda, do lado de lá das escadas, e retribuo o acto de cortesia que ele fez no início do jogo. Cumprimento-o, dou-lhe uma palmada nas costas. “What a great match. You should be proud of Wales”. “I am”, responde. E com razão. Mesmo a perder, aos noventa minutos, todos eles cantam o hino. Orgulhosos dos onze que os representaram. Assim vale a pena. 

Hora de ir embora. Por entre milhares lá arranjamos lugar num autocarro. Os mesmos quatro.
Curiosamente, e novamente, os únicos quatros portugueses num autocarro cheio de galeses. Tal como na chegada. Com uma pequena grande diferença. Desta vez ninguém cantava. Um silêncio sinistro. As nossas camisolas portuguesas brilhavam no meio de todas as outras, como se de ouro fossem. 

“Please don´t take me home”, tinham eles cantado. 

I´m sorry” dizia eu. 

Mas hoje vão mesmo para casa. 

Que nós vamos para Paris!

www.merlin37.com/meiasfinais

10 de Junho - Finalmente

Imaginem três cidadãos. Margarida, António e José. A Margarida, civil, imigrante num país estrangeiro, abriu as portas da sua casa e do seu prédio a vários estranhos durante os piores ataques terroristas daquela cidade onde vivia. O António, ex-militar, aquando do seu serviço pelo seu país viu-se encurralado numa emboscada. Aí, perseguiu um inimigo. Feriu-o, capturou-o e prestou-lhe de imediato os primeiros socorros, arriscando a sua própria vida. O José, Sargento no activo das Forças Armadas, demonstrou excepcional coragem durante o seu destacamento no Kosovo – ainda uma zona tensa e violenta – no início deste ano. Seria mais um período de meses longe de casa e da família, em missão pelo seu país.

Imaginem agora outros três compatriotas. São eles Valentim, Armando e Zeinal. O Valentim passou grande parte da sua vida envolvido na vida política nacional. Maioritariamente em autarquias foi diversas vezes indiciado em crimes de corrupção e gestão danosa. O Armando, igualmente fruto da classe política nacional, dividiu o seu tempo entre a actividade política e empresarial. Na política nutriu e alimentou relações suspeitas com o mundo privado. No privado administrou diversas empresas sem que, à partida, tivesse competência para tal. É arguido e acusado de corrupção em diversos processos em curso. Zeinal, antigo e promissor gestor, conseguiu estar ao leme da mais poderosa e maior empresa portuguesa. As suas decisões (que muitos viam como acertadas) equivaleram a um gigante iceberg. O navio foi ao fundo.

Muito separa os primeiros três cidadãos dos últimos três. Mas algo os une. Todos foram condecorados em cerimónias do dia 10 de Junho. O dia de Portugal. 

Eu – como espero que a maioria dos meus concidadãos – identifico-me mais com os primeiros três. A Margarida, o António e o José.

E chegamos a 2016. Finalmente, e pela primeira vez na história recente do nosso país, foram condecorados apenas cidadãos que demonstraram actos de bravura. Actos de excepcional coragem ou dedicação ao próximo. Militares ou civis. Ponto. Sem politiquices. Sem bajulice. Sem exageros. Foram apenas dez. Longe dos vinte, trinta ou quarenta de outros tempos.

A Margarida, o António e o José foram três desses condecorados. 

E é assim que deve ser.

Não me interpretem mal. Muitos cidadãos nacionais merecem ser agraciados. Condecorados e reconhecidos por importantes serviços a nível nacional. Mas existem outras formas, outras datas, outras cerimónias para o efeito.

No dia 10 de Junho devíamos celebrar a bravura e a coragem que alguns dos nosso compatriotas demonstraram. Civis ou militares. Aquela garra portuguesa que tanto caracterizou este povo durante séculos.

E finalmente assim o foi.

10junho

A mais alta condecoração inglesa chama-se Victoria Cross (VC). É o equivalente da Medalha de Honra do congresso norte-americano. E uma maneira simples de homenagear os seus detentores é que a partir do momento em que alguém (e são muito poucos) recebe a Victoria Cross, toda a correspondência, papelada ou documentação oficial para esse indivíduo deverá sempre possuir antes do seu nome a inscrição “VC”. Obrigatório por lei. Seja uma carta para pagar, seja uma alocução pública. Para que todos, desde o carteiro ao presidente da câmara, saibam que aquela pessoa, incógnita e simples, é detentora da mais alta condecoração de estado, ao serviço da pátria e da Rainha.

E por cá poderia ser igual.

Os grandes portugueses existem. Aqueles de quem nos devemos orgulhar. Aqueles que demonstram coragem, bravura e dedicação muito para além do normal e do dever, muitas vezes pondo em risco aquilo que de mais sagrado têm: a própria vida.

Esses portugueses são portugueses como a Margarida, o António e o José.  

Incomensuravelmente mais importantes, mais inspiradores e mais merecedores que os Valentim, Armando e Zeinal deste país.

Finalmente tivemos um 10 de Junho ao nível de Portugal.

Um 10 de Junho de que me orgulho.

Finalmente.  

www.merlin37.com/finalmente

O mais longo dos dias

“Borrado de medo!”

Foi a resposta que um veterano da Segunda Guerra Mundial deu quando lhe perguntaram como se tinha sentido naquele dia, o mais importante dos Dias, no longínquo mês de Junho de 1944.

“Mas era o meu trabalho. Alguém tinha de o fazer.”

O barulho dos motores abafava todos os outros sons. Era de noite e aquele som soava a tortura. Por entre aquelas pequenas janelas naquele tubo de alumínio a que chamavam avião, iam ficando cada vez mais fortes uns irrequietos clarões de luz. Não tardou muito para que com cada clarão viesse um pouco de turbulência. Cada vez mais forte. Como um tambor que se vai aproximando.

“Os cabrões estão a disparar sobre nós!”

Agora, passados apenas dez minutos, o barulho dos motores como que tinha desaparecido. Era a mais silenciosa sinfonia que se ouvia, lá ao fundo, abafada, mas constante, entre explosões e berros do líder de secção que se esforçava para se fazer ouvir. 

E acendeu-se aquela luz verde. Aquela luz que todos os Paraquedistas aguardam. Aquela luz que lhes alimenta a ansiedade.

A luz que lhes permite abandonar aquele casulo de aço.

E assim, naquela noite que mais parecia dia, saltou de um avião com um paraquedas às costas. Isso e mais trinta quilos de equipamento. Como ele, vários milhares de outros militares saltaram – americanos, britânicos, canadianos. Todos eles, e os milhares que aguardavam ao largo da costa francesa, tinham apenas uma certeza: que provavelmente não chegariam com vida ao fim daquele dia. Muitos não chegaram.

Era madrugada do dia 6. Dia D

Faz hoje setenta e dois anos. 

Setenta e dois anos em que uma geração de Homens provou que a Coragem pode vencer a Tirania.

Happy D-Day.

dday

www.merlin37.com/diad

O gajo que os tinha no sítio

Surpresa e confusão. Eram esses os sentimentos com que eu reagia quando lia algumas das condecorações atribuídas pela presidência da república. Ficava sempre com aquela estranha sensação de injustiça que nos consome lentamente e nos ocupa a mente durante horas. 

“Haveria certamente gajos mais merecedores de tais distinções”, pensava. Massificaram-se. Amigos, conhecidos, “tradição” ou aliados políticos passaram a ser justificações – se bem que privadas – para atribuir tais condecorações. Perdiam o seu valor aos poucos e poucos. 

Hoje, quarenta e dois anos após o 25 de Abril e vinte e quatro anos após a sua morte, quebrou-se uma dessas injustiças: Salgueiro Maia irá ser condecorado a título póstumo com a Ordem do Infante D. Henrique. 

Demorou porra. 

E ao contrário da grande maioria, a minha admiração por aquele Capitão não é originária na sua actuação naquele longo dia de Abril. Já tudo se disse sobre ele. Sobre a sua resiliência. Sobre a sua coragem. Sobre a sua liderança.

Salgueiro Maia pela lente de Alfredo Cunha (c) 

Salgueiro Maia pela lente de Alfredo Cunha (c) 

Não. 

Aquilo que mais admiro em Salgueiro foi a sua vida após a revolução. A sua humildade.

Enquanto uns se apoderavam desse dia, enquanto se enchiam de louros, títulos e de moralidade falsa. Enquanto, de facto, se tornavam e diziam donos de Abril, Salgueiro Maia foi fiel a si mesmo. Fez o que fez sem pedir nada em troca. Sem pedir um cargo. Sem tirar nenhum proveito. Fê-lo, acredito, pelas suas convicções. Pela sua personalidade e pela sua inteligência. Isso sim, diz-nos muito sobre a personalidade e carácter do homem. Morreu "sozinho": afastado da memória nacional.

Não basta andar com um cravo na lapela. Não chega fazer discursos bonitos e olhar para o lado quando não interessa. De uma ponta a outra do hemiciclo parlamentar,  aqueles que lá se sentam deviam olhar com admiração para aquele Capitão. Deviam tentar emular a sua força de vontade, dedicação e convicção. Mas tenho sérias dúvidas que o façam.

Demorou quarenta dois anos. Mas fez-se justiça

Ele era o gajo que os tinha no sítio. Não por aquele dia. Mas pelo que veio depois. 

Tomara eu que houvessem mais. 

www.merlin37.com/salgueiromaia

Valentes e Imortais

O calor era infernal. Tórrido. Quase insuportável. Estamos em finais de 1540 e desembarcam quatrocentos portugueses na costa da Etiópia. Todos eles voluntários. Provavelmente nunca tinham visto deserto nas suas vidas.

Naquela que será porventura uma das menos conhecidas campanhas portuguesas, estes homens comandados por Cristóvão da Gama (filho mais novo de Vasco da Gama) respondiam a um pedido de auxílio do reino de Preste João (na realidade o império cristão da Etiópia governado por Dawit II) invadido por forças muçulmanas.

Quatrocentos portugueses que em duas batalhas derrotaram um inimigo muitíssimo superior. Imagino os tomates necessários para manter pé firme com uma armadura mais quente e pesada que um pequeno forno. A força falhou na terceira batalha tendo os lusos sido derrotados. Gama perdeu a cabeça. Literalmente, decapitado. No entanto os cem sobreviventes juntariam-se ao exército local e, finalmente em 1543, expulsariam o exército invasor. 

Quatrocentos portugueses. Um quatro seguido de dois zeros. Quatrocentos tipos provenientes de um rectângulo ali no fundo da Europa mas que valiam por quarenta mil. 

A nossa história está repleta de episódios semelhantes. Episódios onde uma mão cheia de portugueses – com muita sorte, engenho e coragem à mistura – se fizeram valer por muitos mais... 

Portugal.

portugal

Somos o país de Viriato e de Afonso Henriques. O país de D. João II e de D. Manuel. 

Somos o país de Henrique o navegador, de Vasco da Gama e de Pedro Álvares Cabral. O país de Afonso de Albuquerque e Nuno Álvares Pereira.

Somos o país de Fernão Mendes Pinto. O país de Damião Góis e Gil Vicente.

Somos o país de Camões. De Eça. De Saramago e Lobo Antunes. O país de Fernando Pessoa e Almeida Garrett. 

Somos o país de Egas Moniz e António Vieira. O país de António Damásio e Pedro Nunes. 

Somos o país de Nuno Gonçalves e Paula Rego. 

Somos o país de Carlos Lopes, Mourinho, Eusébio e Ronaldo. O país de Amália e Carlos Paredes. 

Somos o país de Siza e Souto de Moura. 

Somos o país de Sacadura Cabral e Gago Coutinho.

Somos o país de Aristides de Sousa Mendes. 

Somos o país de Bocage. Ou como diria o próprio, “o país de Bocage caralho”!

 

E como estes existem centenas... milhares de tantos outros. 

Exemplos e inspirações pela positiva. Como também os há pela negativa é certo. 

Mas não nos faltam razões para ter orgulho pois não? 

Não.

Não falta

www.merlin37.com/valenteseimortais

Isso me envaidece

“GOLLOOOGOLOOOOO! INCHEM, FODASS!!!”, gritava eu a plenos pulmões enquanto saltava da cadeira, de punhos fechados a bater na mesa. 

O Benfica acabava de marcar o primeiro golo.

À minha volta, incrédulos, um punhado de espanhóis, letões e claro uma mão cheia de alemães. Não sou muito subtil a ver jogos do Benfica e esta rapaziada estava a descobrir isso. Todos com olhar curioso e algo reprovador na minha direcção. Ali estava eu, sozinho, a gritar,  a saltar e a praguejar, admito, em português. Estou em Riga, capital da Letónia. Mais concretamente num bar irlandês (nunca falha, transmitem sempre os jogos da Liga dos Campeões).  As paredes, em tom creme, sujas e repletas de quadros, como que abafam os meus berros. A empregada olha para mim como quem olha para um cão vadio. Um gajo aos berros, o único de facto, no meio de um bar cheio de gente. 

E não era para menos. O meu Benfica marcara um golo. Ali, naquela cidade báltica, não me sentia abandonado. Gritava por sessenta e cinco mil. Não! Gritava por seis milhões! 

“INCHEM CABRÕES!!!” 

O tenor de ópera lá do nosso estabelecimento. Foto: Sport Lisboa e Benfica (c)

O tenor de ópera lá do nosso estabelecimento. Foto: Sport Lisboa e Benfica (c)

No final do jogo a história era diferente. Já não me encontrava tão eufórico. Era um empate. Um cruel 2-2 que eliminava o Benfica da competição. Já não iríamos competir pelo título de melhor da Europa. Mas saíamos de cabeça erguida e peito feito. Em mim, naquele bar, naquela cidade fria, ao invés de tristeza crescia um sentimento de Orgulho

“Orgulho?” perguntarão. Sim. Orgulho.

Orgulho pela forma como se bateram e acreditaram. Como tacticamente enfrentaram aquele comboio bávaro com maquinista espanhol. Orgulho por fazê-lo sem todo o nosso ataque titular. Todos eles lesionados ou castigados. Orgulho pela forma como encarámos todos aqueles que disseram que seria uma goleada. Orgulho pelo Rui Vitória. Que com toda a classe, paciência e profissionalismo provou a todos – benfiquistas incluídos – que é um Campeão.  Orgulho por aqueles adeptos. Quando o apito soou ali estavam eles, cachecóis em punho a gritar “Benfica”. Um dos mais fantásticos finais de jogo de sempre. E perdemos a eliminatória. Imagino se tivéssemos ganho. 

E orgulho...pelo sentimento de frustração. 

Sim. Isso mesmo. Orgulho pelo sentimento de frustração. Esse sentimento que me consumia e fazia beber cada golo de cerveja desconfiado, com os olhos naqueles bávaros na mesa lá do fundo. Porque isso significa que encarávamos o jogo de igual para igual. Ali, a jogar naquele estádio, não estava o temível Bayern Munique. Não.  Estava um outro qualquer clube, que não o nosso, que vinha jogar à Luz. E como tal iria ter de sofrer para levar dali uma vitória. Sofreu. E não a levou. Levou um empate. A prova que o nosso lugar é ali: nos melhores da Europa. 

Raramente falo de futebol. E muito menos fico contente quando a minha equipa sai derrotada. Mas hoje foi diferente. 

Hoje gritei a alto e a bom som: “Sou do Benfica!”

E isso me envaidece!

www.merlin37.com/envaidece

Brasil, o polvo e o povo

Dizem que nós, os portugueses, somos um povo de brandos costumes. Que somos demasiado calmos. Que,  de forma evidente, relativizamos tudo e todos.

Furámos um pneu. “Ainda bem que não foi na auto-estrada.”

Partimos uma perna. “Podia ser pior, podiam ter sido as duas!”

Está a chover, a casa está inundada, a roupa molhada e a mulher não para de nos gritar ao ouvido. O cão perdeu-se e chegou mais uma carta das finanças. A nossa filha começou a namorar com o vizinho do 3º esquerdo. “Podia ser pior, podia ter acabado a cerveja!”

Há sempre algo, alguém ou alguma coisa implacavelmente pior. 

E dou por mim a pensar... Será que quando o nosso ex primeiro-ministro, José Sócrates, se viu a mãos com a justiça por indícios de corrupção, alguém terá pensado “Bem, podia ter sido pior. Podíamos ter tido o Lula ou a Dilma”? 

Foto: (c) Jornal "O Público"

Foto: (c) Jornal "O Público"

Certamente que sim. Há sempre alguém. E assim, por fim, finalmente bateria certo. 

O jornal “O Globo” abre hoje primeira página com a aparente aceitação por Lula da Silva de uma posição para ministro no governo brasileiro, a convite de Dilma Rousseff. Esta nomeação, com um timing estranhamente perfeito, permitiria a Lula obter a imunidade judicial que este cargo confere. Curioso. Especialmente tendo sido preso na semana passada. 

Não me interpretem mal amigos Brasileiros. Aqui deste lado do “lago” não estamos bem. Longe, muito longe disso. Como bem atesta a polémica das subvenções vitalícias ou a recente contratação por parte de uma empresa britânica da ex ministra das finanças deste pequeno rectângulo. Mas lá está. Podia ser pior. Podíamos ter um Lula ou uma Dilma. 

Propagou-se nos últimos anos uma canção popular em Portugal que, no seu âmago, se resumia a uma palavra de apelo ao povo. “Acordai”, dizia. Mas se nós portugueses estávamos com sono, vocês, meus irmãos da “ordem e progresso”, estão próximos do coma profundo.

Se Lula for mesmo nomeado ministro, peço-vos que, por tudo aquilo que o Brasil é e acima de tudo por tudo aquilo que poderá ser, que venham mais uma vez para a rua. Que lutem. Que digam “não!”, “acabou!", “chega!”.

Já chega porra. 

E os meus compatriotas portugueses que se desenganem. Há pior, sim. Mas estamos no mesmo rumo. Barco diferente. Mas mesma rota.  

O Brasil pode já estar a afundar, mas nós também já embatemos no Iceberg. 

E água não está fria. 

Está gelada. 

Acordai.

www.merlin37.com/brasileopolvo

Obrigado

11 de Novembro de 2014. Estava eu em Bruxelas. Feriado nacional. 

Tanto na Bélgica como numa série de países – da Austrália ao Canadá, do Reino Unido à Holanda – celebrava-se o chamado “Remembrance Day”. Fazia então precisamente 96 anos que à 11ª hora do 11º primeiro dia do 11º mês foi assinado o armistício que terminou com a primeira grande guerra. 

Na Bélgica, como em muitos outros países,  celebravam-se aqueles que tombaram em combate. Aqueles que deram a sua vida pelo seu país. E aqueles que sobreviveram. Os veteranos. 

É, como o próprio nome indica, o dia da lembrança. Para que nunca se esqueçam aqueles que fizeram o derradeiro dos sacrifícios.

E olhei para o meu país. 

CEP

Participámos igualmente na primeira grande guerra. O CEP – Corpo Expedicionário Português – sofreu mais de 7000 baixas, a pouco mais de 50 km de onde me encontrava. Em África, tanto em Angola como Moçambique lutámos igualmente, da maneira possível, de forma valorosa. 

Quem visse o estado deplorável do nosso cemitério nacional na Bélgica não o diria. Não entendo, nem concebo, uma nação que não respeita aqueles que por ela lutaram. Aqueles que por ela deram, literalmente, tudo. 

A distância temporal e geográfica tende a fazer desvanecer a memória de um povo. O desinteresse, o esquecimento, a inércia instalam-se. Sempre admirei a forma como os restantes povos europeus celebram, respeitam e lembram os seus mortos e veteranos sempre com uma imparcialidade e objectividade incrível. Não julgam as guerras. Não julgam as razões. Não julgam a política. Lembram, e apoiam, apenas aqueles que lutaram e estão, ou não, entre os vivos. 

Independentemente de todas as razões ideológicas ou políticas, existem ainda hoje em Portugal milhares de homens e mulheres que lutaram pela bandeira nacional. Por Portugal. E esses – tal como aqueles que tombaram faz 100, 500 ou 800 anos – merecem o meu profundo respeito. Fosse nos campos da Flandres ou na selva guineense deram o melhor da sua vida pelo seu país. 

O lema da Armada,  orgulhosamente presente em todos os navios, refere muito simplestemente “A Pátria honrai que a Pátria vos contempla”. 

Quer-se-me parecer que cada vez menos a Pátria “os contempla”. 

E a Pátria somos todos nós. Todos. E todos lhes temos uma dívida de gratidão.

Obrigado.

www.merlin37.com/obrigado

Síndrome do Pingo Doce

Gelado. Está gelado lá fora. Um rápido olhar pela janela e nota-se que nem o Labrador ávido de liberdade que se encontra no jardim se atreve a dar dois passos de corrida. 

“Ah porra, esqueci-me do molho de tomate”.

Chaves na mão, porta fechada, elevador. Uma das vantagens de morar a uns escassos cinquenta metros de um Pingo Doce é poder corrigir quando a nossa memória nos atraiçoa. 

“Poupa tempo” dirão alguns. “Não é bem assim” afirmo eu. 

Um dos mandamentos que nos é incutido desde o início na aviação é o chamado “pensar à frente”. Devemos sempre pensar à frente da aeronave. Nunca no momento. Estar já a pensar a cinco, dez, vinte minutos do presente. O que vai acontecer, o que pode acontecer e como reagir. E com o tempo esse traço de carácter passa para outras actividades mundanas, sem que disso nos apercebamos. Como por exemplo... as filas do Pingo Doce. 

Devo confessar que me tornei bom nisso. Optimizar a escolha da fila das compras. Boa dica para o currículo, lembrei-me agora. Sai no automático, mas como se de um planeamento militar se tratasse. Ora aquela fila tem mais gente, mas é tudo malta nova só com cervejas na mão. Boa escolha. Aquela tem menos gente mas um empregado de restaurante que vai pedir facturas em separado. A evitar. A outra caixa tem um funcionário que é mais lento a passar as compras que eu a sair da cama. Nunca. E com este raciocínio instantâneo se escolhe a caixa do Pingo Doce. Simples.

Sim, porque isto de um tipo se esquecer do molho de tomate tem muito que se lhe diga. 

E tudo seria perfeito... se não fosse aquilo a que eu carinhosamente apelido de “Síndrome do Pingo Doce”.

pingodoce

Gosto de imaginar que, tal como os Gregos e os Romanos tinham um Deus para tudo, também hoje existe um Deus do “Pingo Doce”. Ou um Deus das lojas de conveniência, o que lhe quiserem chamar. Certamente muito em baixo na cadeia alimentar dos Deuses, mas Deus mesmo assim. Omnipresente. Todo poderoso. Misericordioso. O gajo que na faculdade dos Deuses tirou o curso de Antropologia mas estagiou no Lidl. 

Pois bem, não sei se serei eu que não estou a sacrificar bolachas Maria suficientes em sua honra ou não, mas tenho uma ligeira impressão que Ele não vai muito com a minha cara. 

É imediata e implacável a sua actuação. Mal escolho a caixa, encaixado na centena e meia de pessoas que se lembraram de ir ao Pingo Doce a meio das “Tardes da Júlia”, dá-se o desastre. Aquela caixa, onde eu depositei toda a minha fé, tem um problema. Acabam-se as moedas. É mudança de turno. Acabou-se o papel. O artigo não passa. O artigo seguinte também não passa. O cabrão do terceiro artigo também não passa. O cliente pede trinta e duas facturas diferentes. O artigo está mal codificado. A empregada ganha instantaneamente uma vontade incontrolável de perguntar como estão as onze netas da cliente, que, orgulhosamente, debita a biografia de todas elas. Mais um artigo que não passa. Alguém pede para ligar para outro alguém. Acabaram-se os sacos. E tudo isto enquanto eu, com uma lágrima a escorrer-me pelo rosto, olho para as caixas adjacentes. Elas, como que cruelmente, avançam firmemente, libertando os seus clientes da opressão a que estavam sujeitos. Eu? Eu sou o homem da máscara de ferro. Imóvel. A observar a liberdade por uma janela. Neste caso por uma porta automática. 

“Que te fiz eu oh Deus dos supermercados, para merecer esta sorte?”

E quando finalmente chega a minha vez sinto-me como Mandela no dia da sua libertação. Mais uma luta titânica que chega ao fim. Livre por fim! Livre! Pouso os meus artigos no tapete rolante. Um sorriso de dever cumprido esboça-se na minha face.

“Ah peço desculpa, vai fechar!”

Fodass. 

Acabei de matar um gatinho dentro de mim.

www.merlin37.com/sindromepingodoce

Fate is the hunter

Existem livros sobre aviação. Existem livros que são obras-primas. E de vez em quando existem livros que são ambos. 

Fate is the hunter é um deles. 

fateistheonlyhunter

Baseado na vida e carreira do autor - Ernest Gann - esta pequena amostra de génio literário vicia-nos a partir da primeira página. Não gosto de ficar "agarrado" a nada, mas este livro tinha a tendência de me obrigar a folhear mais e mais e mais. Cocaína literária. E Ernest era Pablo Escobar. 

Imperial. E obrigatório. 

www.merlin37.com/fate

Pilecki

Fez em Janeiro setenta anos da libertação de Auschwitz. Setenta anos da libertação de um campo que representou a pior face na natureza humana. 

E mesmo assim, no Inferno, existem heróis. Um deles – pouco conhecido – chama-se Witold Pilecki.

pilecki

Capitão do exército polaco e um dos fundadores da resistência polaca, o Capitão Pilecki foi ao encontro de uma patrulha das SS em 1940 em Varsóvia, de forma intencional, e deixou-se capturar. O objectivo? Criar uma organização de resistência dentro do campo e relatar e escrever em relatório para as forças aliadas a realidade que se vivia em Auschwitz. Após a sua fuga do campo, em Abril de 1943, escreveu mais de 100 páginas sobre a crueldade vivida em Auschwitz. O primeiro relato, fidedigno, nas mãos dos aliados sobre a implementação da solução final. 

Capturado e morto pelo regime comunista polaco do pós-guerra, ignorado até à queda do muro de Berlim, o Capitão Witold Pilecki é hoje celebrado como um herói no seu país, Polónia. Mas ele não é apenas um herói polaco. É um herói de todos nós. Como Homens. Com H grande. Prova que a coragem, face ao inimaginável, existe. É palpável. E tem vários nomes.

E um deles é “Pilecki”.

www.merlin37.com/pilecki

O meu amigo buraco

Ó velho amigo que regressas com saudade... gosto em ver-te! Tal como todos os bons amigos, regressas sem avisar, ano após ano, para me fazer uma surpresa. Estás sempre ali no mesmo sítio, no cruzamento à saída da minha casa.

Avenida Duque de Ávila com a estação da Carris  , Arco do Cego, 1940.   Eduardo Portugal,   in   Arquivo Fotográfico da C.M.L

Avenida Duque de Ávila com a estação da Carris, Arco do Cego, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L

Os meus pneus tratam-te por “tu”. E iria jurar que já te vi com uma das minhas jantes a beber uma mini enquanto passava o Nacional-Benfica na Sport TV.

Impressionante esse teu ritual, digno do mundo animal – tal e qual hibernação – em que todos os anos, todos, teimas em aparecer sempre que caem as primeiras chuvas.

Penso que saibas que não sou engenheiro civil, muito menos engenheiro de estruturas. Não tenho experiência em planeamento urbanístico... e nunca trabalhei em construção civil. Mas arriscarei afirmar que voltas sempre, saudoso e contente, porque alguém não está a fazer o trabalho que devia.

Não me leves a mal. Gosto da tua companhia. Gosto de te apresentar com pompa e surpresa aos meus amigos. “Olha... ali está ele!”, digo com expressão efusiva no rosto. Admiro igualmente a forma como treinas as minhas aptidões automobilísticas, apanhando-me de surpresa naqueles finais de tarde em que regresso, cansado, ao meu pouso.

Mas como qualquer bom amigo, também tu meu caro buraco, por vezes me deixas zangado. Incapaz de conter um expressivo “Fodass” ou um surpreso “Mas que caralh....” que é seguido atentamente por aquele senhor de setenta e poucos, que da passadeira olha para dentro da minha viatura como quem olha para a jaula dos tigres. “Gente mal educada” pensará certamente.

Sim meu companheiro! A partir de hoje estamos de relações cortadas! E até que tu tenhas um entendimento com os teus amigos da Câmara Municipal de Lisboa, passarei a chamar-te, com a dignidade que a ocasião impõe, de “cabrão”.

Cabrão do buraco! 

Ceuta

(Escrito a 21 de Agosto de 2015)

Faz hoje - 21 de Agosto - 600 anos que um pequeno reino europeu encheu o peito de ar, vestiu uma armadura e com um punhado de tomates considerável atravessou o mar e foi conquistar Ceuta.

conquistaceuta

Esta data não é importante apenas porque representa o início daquilo a que nós designamos de Descobrimentos. E muito menos por ter sido uma conquista pelas armas. 

É importante porque nos relembra algo com 600 anos. E ter 600 anos de história é obra! E antes desses 600 ainda existiram quase outros 300. Já andamos por cá faz um tempo

É importante porque nos galvaniza com o facto de que uma pequena nação entalada entre o mar e um reino de onde nem sequer aparecem bons casamentos ser capaz de fazer coisas grandiosas. 

É importante porque nos recorda que um dia, nós, “nação valente e imortal”, fomos donos disto “tudo”, fruto apenas da coragem, inteligência e visão demonstrada na altura.

É importante porque nos deveria elucidar para o facto de Portugal ser mais que os últimos 30 anos. São quase 900! 900 anos em que sempre que foi preciso levantámos a voz e dissemos a quem quer que viesse para aqui arranjar confusão que a coisa ía dar para o torto!

É importante porque nos deveria motivar ao saber que somos feitos do mesmo material, do mesmo sangue, da mesma fibra dos gajos que há 600 anos se meteram nuns barcos e foram ali para sul dos Algarves fazer das suas e dar novos mundos aos mundos.

E se eles o conseguiram... nós, à nossa maneira, também o podemos fazer. 

Um pouco de orgulho nacional não fica mal a ninguém. E não, hoje não joga a selecção.

www.merlin37.com/ceuta